Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Exportações crescem em força, mas importações aumentam ainda mais

  • 333

Em abril, as exportações portuguesas de bens aumentaram 9,7% face ao mesmo mês do ano passado, mas as importações subiram 16%

A crescer em força. Assim podemos caracterizar as exportações portuguesas de bens nos últimos meses. Em abril, as vendas lusas ao exterior aumentaram 9,7% em termos homólogos, isto é, em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo os dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Um valor que sucede ao crescimento homólogo de 11,1% registado em março.

Contudo, os dados do INE mostram também uma aceleração das importações portuguesas de bens, para níveis bem acima das exportações. Em abril, as importações dispararam 16% em termos homólogos, depois de terem crescido 10,6% em março, também em termos homólogos.

Como resultado, no conjunto dos três meses, de fevereiro a abril deste ano, o défice da balança comercial aumentou 67,2 milhões de euros, para -2,343 mil milhões de euros.

Para o crescimento das exportações portuguesas em abril contribuiu um aumento de 10,2%, em termos homólogos, nas vendas aos parceiros europeus, enquanto as exportações para fora da União Europeia aumentaram 8,3%.

Quanto às importações, as compras a parceiros europeus aumentaram 11,9% em abril, em termos homólogos, enquanto as importações de países terceiros dispararam 31%.

As classes de bens que mais contribuiram para o aumento das importações em abril, face ao mesmo mês do ano passado, foram os combustíveis minerais, produtos químicos e veículos e outro material de transporte, aponta o INE.

No destauqe publicado esta terça-feira, o INE analisa ainda a evolução das exportações portuguesas de bens para Angola no primeiro trimestre deste ano, concluindo que totalizaram 552 milhões de euros. Um valor que representa uma diminuição de 23,6% face aos mesmo período do ano passado.

Apesar desta contração num mercado-chave para Portugal, "na globalidade das exportações nacionais de bens registou-se um aumento de 4%" no primeiro trimestre, nota o INE.