Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Isabel dos Santos compra a Efacec

  • 333

Rui Duarte Silva

Não é conhecido o valor do negócio, mas já foi avançado que poderá rondar os 200 milhões de euros. A empresária angolana já estava a negociar a compra da Efacec há uns meses e não fica sozinha com a empresa.

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Isabel dos Santos deverá fechar a qualquer momento a compra de uma posição maioritária na Efacec Power Solutions, que tornará os grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves (TMG) acionistas minoritários da empresa. E ao que o Expresso apurou a empresária angolana deverá trazer mais um parceiro para o negócio. A posição de Isabel dos Santos será, em princípio, superior a 50%.

No início de abril, o presidente executivo da Efacec, João Bento, havia admitido ao Expresso que a entrada de um novo acionista deveria concretizar-se "ainda no primeiro semestre". Na altura havia, contudo, grande secretismo em torno desse investidor e dos moldes do negócio. O "Diário Económico" chegou a avançar nesse mês que o investimento de Isabel dos Santos na Efacec rondaria os 200 milhões de euros, valor que não foi possível confirmar até ao momento.

A Efacec tem operações em África e Isabel dos Santos está interessada no "know how" e na engenharia da empresa. 

Criada em agosto de 2014, a Efacec Power Solutions é o resultado de uma reestruturação no grupo Efacec que veio concentrar nesta empresa os negócios centrais do grupo, passando outras atividades para a empresa Efacec Global.  

O grupo (que até agora era controlado em partes iguais pela José de Mello e pela Têxtil Manuel Gonçalves) já vendeu a Efacec Power Transformers nos Estados Unidos da América e a Efacec Energy Service no Brasil.

A entrada de um novo investidor de referência no grupo é um processo que se arrasta há largos meses. E Isabel dos Santos chegou a ter a concorrência dos investidores chineses que também mostram interesse na Efacec.

A empresa, fundada em 1948, está presente em mais de 65 países e conta com 3900 colaboradores. Aposta sobretudo no investimento em inovação e novas tecnologias no sector da eletricidade.