Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

TAP corta nas rotas e nas horas extraordinárias

  • 333

José Coelho / Lusa

Redução do custo das horas extraordinárias e a supressão de 5 a 10% das rotas são medidas que a TAP vai aplicar. Plano de cortes também proíbe transferências de dinheiro para o negócio deficitário no Brasil

O plano que a TAP apresentou ao Governo no início da semana passada, com vista a reduzir custos e aumentar a receita deste ano — depois de a greve dos pilotos ter agravado a situação de tesouraria da companhia — contempla, tal como o Expresso avançara, um ajustamento no custo das horas extraordinárias. A redução da remuneração do trabalho suplementar dos trabalhadores da companhia é assim uma das medidas que a TAP vai aplicar para que a empresa aguente até à injeção de capital prevista com a privatização. Também a redução do subsídio de refeição chegou a ser discutida no plano, mas não avançou.

O plano a aplicar, apurou o Expresso, também proíbe a transferência de dinheiro para o negócio de manutenção da TAP no Brasil, a TAP Manutenção & Engenharia Brasil. Até ao final do ano, estava prevista a transferência de mais de 10 milhões de euros para aquela subsidiária, o que já não vai acontecer.

A supressão de rotas é outra medida contemplada no plano, com base em critérios de rentabilidade. Entre 5% a 10% da atividade atual (a TAP opera hoje 82 rotas) será reduzida no arranque da operação de inverno, a partir de outubro. Não é líquido que as medidas a aplicar prevejam despedimentos, mas consoante as rotas que vierem a ser suspensas poderá haver redução de frota e tripulações. Outra medida de "austeridade" em curso desde o início do ano é o prolongamento dos prazos de pagamento a fornecedores.

O Governo tinha pedido à administração da TAP que apresentasse um plano de cortes depois do impacto de cerca de €35 milhões da greve dos pilotos na companhia (e cujos resultados são apontados como um dos motivos que levaram à demissão do presidente do sindicato dos pilotos). Logo depois da greve, o presidente-executivo da TAP, Fernando Pinto, avisou os trabalhadores de que a principal tarefa, no imediato, "passa por reajustar a empresa à sua adequada dimensão".