Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Banco de Inglaterra enviou acidentalmente email a jornalista. O tema em questão? Brexit

  • 333

Carl Court / AFP / Getty Images

Foi um email, que seguiu por lapso para um jornalista do jornal "Guardian", cujo conteúdo foi revelado esta sexta-feira. O Banco Central britânico está a avaliar os riscos para o país de uma potencial saída da União Europeia.

O Banco Central de Inglaterra está a avaliar o impacto económico e financeiro que um "sim" no referendo sobre saída do Reino Unido da União Europeia (UE) pode ter em Inglaterra. A informação foi revelada num email interno e confidencial, escrito a 21 de maio e enviado por engano a um jornalista do "Guardian". O seu conteúdo foi divulgado pelo jornal britânico esta sexta-feira.

"Projecto Bookend" é o nome do estudo que está a ser desenvolvido pelo Banco de Inglaterra, que conta com a coordenação do vice-governador Jon Cunliffe e com a participação de um grupo restrito de pessoas. 

A maioria dos funcionários do Banco não tem conhecimento do "Projeto Bookend" e a equipa que desenvolve o estudo afirmava que só um grupo restrito deveria ter conhecimento do mesmo, revela o mesmo jornal, citando o conteúdo do email.

"A proposta de Jon (...) é que nenhum email sobre o projeto seja enviado à equipa de James [Talbot, chefe da divisão de Avaliações e Estratégia Monetária], nem de forma mais abrangente, no Banco", pode ler-se no email. "James pode dizer à sua equipa que está a trabalhar num projeto de Economia Europeia numa divisão internacional, que irá durar alguns meses (...). Idealmente não dirá mais nada". 

Para além disso, o email sublinha que questões por parte da imprensa sobre "eventuais projetos para analisar o referendo" devem ser respondidas de forma evasiva. 

Na noite de sexta-feira, em comunicado enviado à imprensa britânica depois do incidente, o banco confirmou que está a realizar o estudo em questão, sublinhando que "não deve ser uma surpresa que o banco esteja a realizar este trabalho sobre uma medida apresentada pelo Governo".

Recorde-se que o primeiro-ministro David Cameron afirmou recentemente que quer a realização de um referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia já em 2016.