Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Problema nos airbags obrigam mais de 6,5 milhões de Toyotas e Nissans a voltar à oficina

  • 333

Só a Toyota, líder mundial automóvel, vai levar para as suas oficinas cerca de cinco milhões de viaturas de 35 modelos diferentes, fabricados entre março de 2003 e novembro de 2007

KIMIMASA MAYAMA/EPA

Os sistemas de segurança dos passageiros foram fabricados pela também japonesa Tanaka. Segundo a Bloomberg, o mesmo defeito já foi responsável pela recolha de mais outros 17 milhões de viaturas.

A Toyota  e a Nissan, marcas automóveis japonesas, vão lançar uma revisão extraordinária de mais de 6,5 milhões dos seus modelos . Trata-se de uma medida de segurança acionada devido a problemas relacionados com os airbags fabricados pela também nipónica Takata.

Só a Toyota, líder mundial automóvel, vai levar para as suas oficinas cerca de cinco milhões de viaturas de 35 modelos diferentes, fabricados entre março de 2003 e novembro de 2007. A maioria dos veículos que vão ter de ser revistos foi vendida no Japão (1,35 milhões) e na Europa (1,26 milhões). Nos Estados Unidos, vão ser chamados a esta revisão extraordinária 637 mil carros.

Já a Nissan irá chamar às suas oficinas 1,56 milhões de viaturas, saídos das suas fábricas entre 2014 e 2007, e começará a notificar os clientes a partir de junho.

Segundo a Bloomberg, estes 6,5 milhões de viaturas juntam-se a mais 17 milhões de outras, pertencentes a 10 marcas automóveis diferentes, que desde 2008 já foram a revisões extraordinárias devido a problemas nos airbags, que resultaram em mortes e múltiplas lesões.

A Honda, outra marca automóvel japonesa, em anos anteriores, já havia sido obrigada a fazer revisão aos airbags de 14,4 milhões de carros.

A Takata tem estado debaixo de fogo. A fabricante japonesa de airbags, que esperava o regresso aos lucros este ano, já disse publicadamente ser impossível avaliar os prejuízos que decorrem das ações judiciais que lhe estão a ser impostas. As suas ações, cotadas na Bolsa de Tóquio, caíram 1,6% no fecho da última sessão (manhã de quarta-feira em Lisboa).