Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugueses estão mais otimistas, mas continuam no fim da tabela.

  • 333

A classificação atribuída pelos portugueses à situação geral do país melhorou pelo segundo ano consecutivo.

Os portugueses estão mais optimistas, mas não o suficiente para subirem na tabela. Segundo a mais recente edição do Barómetro Europeu, a classificação atribuída pelos portugueses melhorou, passando de 2,5 para 3,2, numa escala de 0 a 10. Também a forma como os portugueses encaram a sua situação pessoal apresentou melhorias, passando de 4,1 para 4,6.

No estudo, feito pelo Observador Cetelem em parceria com a sociedade de estudos e consultoria BIPE, foram inquiridos 8719 europeus (pelo menos 500 indivíduos por país, com idade superior a 18 anos), através da internet em 12 países: Alemanha, Bélgica, França, Itália, Espanha, Hungria, Reino Unido, Portugal, Polónia, República Checa, Eslováquia e Roménia.

De acordo com os dados divulgados, o crescimento económico da Europa está a reflectir-se na moral dos consumidores. A percepção dos europeus relativamente à situação geral do seu país melhorou pelo segundo ano consecutivo, com uma nota média de 4,3, verificando-se um aumento de 0,3 relativamente a 2014, uma tendência seguida por todos os países com excepção da Bélgica e da Hungria.

No entanto, o estudo revela ainda que a recuperação económica não se reflecte numa melhoria imediata da situação socioeconómica de todos os europeus, sendo que factores como a taxa de desemprego têm um papel determinante na avaliação de cada país. Na escala de 0 a 10, a nota de avaliação continua inferior ou igual a 4 nos países com onde esta taxa é mais elevada, como é o caso de Portugal, Espanha e Itália.

Na avaliação da sua situação pessoal, os portugueses não são os que atribuem uma pior avaliação (4,6), sendo os húngaros aqueles que atribuem um valor mais baixo (4,4). Esta avaliação progrediu em quase todos os países do Observador Cetelem, com excepção da Bélgica, que registou uma diminuição de 0,3 face ao ano anterior, e da Roménia que manteve o valor de 5,1.