Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bruxelas: previsões para crescimento e desemprego este ano em Portugal inalteradas

  • 333

Nas previsões de primavera, divulgadas esta terça-feira, a Comissão Europeia manteve as suas previsões para este ano para Portugal, tanto ao nível do crescimento económico, nos 1,6%, como para a taxa de desemprego, nos 13,4%

"A recuperação económica consolida-se ainda mais". É este o título da nota da Comissão Europeia (CE) sobre Portugal, incluída nas projeções de primavera divulgadas esta terça-feira.

Contudo, a CE manteve inalterada a sua previsão para o crescimento económico português em 2015. Bruxelas aponta para um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,6%, um valor inalterado face às projeções de inverno, divulgadas em fevereiro.

Em relação a fevereiro, a CE espera agora um crescimento mais acentuado do consumo privado (2% contra 1,8%), do investimento, medido pela Formação Bruta de capital Fixo (3,5% em vez de 2,9%), e das exportações de bens e serviços (5,3% o que compara com 5%). Pelo contrário, em relação às importações, a CE aponta para um crescimento ligeiramente inferior, de 4,7% em vez dos 4,9% projetados no inverno.

A CE deixa o alerta: “Os principais obstáculos a um crescimento económico mais forte são as necessidades de desalavancagem devido aos elevados níveis de dívida pública e privada”. Contudo, Bruxelas nota que também há possibilidade de o crescimento vir a ser mais forte do que o agora projectado, devido ao impacto positivo da depreciação do euro e da política monetária muito acomodatícia que está a ser seguida pelo Banco Central Europeu.

Já para 2016, a CE melhorou ligeiramente a sua previsão, apontando agora para um crescimento de 1,8%, quando em fevereiro esperava 1,7%.

Ao nível da taxa de desemprego, Bruxelas também manteve inalterada a previsão para Portugal, tanto para este ano, como para 2016. A CE espera uma taxa de desemprego de 13,4% em 2015, descendo para 12,6% em 2016. Nas projeções de inverno, divulgadas em fevereiro, os valores avançados pela CE eram já estes.