Anterior
Amar de mais pode matar
Seguinte
E se de repente... ela encontra preservativos na carteira dele... isso é...
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Life & Style  >  A vida de saltos altos  >   É tão fácil explicar às crianças quando o dinheiro não estica mais (vídeo)

É tão fácil explicar às crianças quando o dinheiro não estica mais (vídeo)

|
Uma criança a quem se ensina a gerir bem o dinheiro ganha responsabilidade e noção de esforço, ao mesmo tempo que passa a dar mais valor ao que conquista
Uma criança a quem se ensina a gerir bem o dinheiro ganha responsabilidade e noção de esforço, ao mesmo tempo que passa a dar mais valor ao que conquista
Um dos métodos para ensinar passa por dividir o tradicional porquinho mealheiro em quatro partes

Os conflitos entre pais e filhos sobre o dinheiro são recorrentes e, normalmente, prolongam-se no tempo: desde de que são crianças - em que pedem aos pais tudo e mais alguma coisa - até à idade adulta, sobretudo quando ainda não são independentes financeiramente (isto para não falar de muitos filhos que mesmo após sairem de casa e terem emprego ainda continuam a recorrer à carteira dos pais).

A melhor forma de evitar este tipo de conflitos ou dependências (agravados nos tempos que correm devido à crise, que parece ter vindo para ficar e que cada vez mais se faz sentir) é darmos aos nossos filhos, logo desde pequenos e ao longo do seu percurso, uma educação económico-financeira que seja sensata e ajustada à realidade em que se vive.

Para o próprio bem dos filhos, torna-se importante perceber quando é necessário ser forte e dizer "não" (recorde aqui o meu texto Birras e fúrias dos miúdos são fogo, mas resolvem-se ), mesmo quando a situação financeira permite ceder no que eles pedem. Só esta noção ajudará a sedimentar a sua própria independência económica e a desenvolver uma auto-estima forte. Porquê? Porque quando as coisas são conseguidas por mérito e esforço próprio têm um sabor completamente diferente. São encaradas como vitórias, o que, naturalmente, reforça o amor-próprio.

Seja um (bom) exemplo a seguir se... conseguir


A melhor forma de ensinar os seus filhos a administrar o dinheiro é você administrar bem o seu. No entanto, se a sua postura em relação a gastos não for a mais correta ou a mais eficaz, não deve deixar que isso a iniba de educar os seus filhos no sentido do que sabe estar certo. Nestes casos, com certeza que a mãe ou o pai (ou ambos) não quererão que o filho passe pela mesma ansiedade em que muitas vezes se encontram, tudo por não terem feito uma gestão bem-sucedida das suas finanças pessoais.

Claro está que é um exercício difícil de pôr em prática: não saber gerir dinheiro e ensinar a fazer o contrário, mas felizmente que nem sempre isso é prejudicial. É que apesar de as crianças aprenderem mais com o exemplo que vêem na prática do que com o que ouvem na teoria, mesmo que a mãe seja uma péssima administradora de finanças, isso não significa necessariamente que os seus filhos herdem a sua falta de habilidade financeira. Pelo contrário, por vezes até pode induzi-los a um desejo de quererem gerir ainda melhor as finanças domésticas. Quem o explica é a jornalista de economia, Justine Trueman no seu livro " "Detox your finances" , dirigido às mulheres que querem gerir melhor as suas finanças. Justine sublinha bem que são importantes as mensagens que as crianças vão recebendo sobre o dinheiro. Por isso mesmo, enquanto mãe ou pai deve ter o cuidado com o que transmite. Por exemplo: você é daquelas pessoas que incentiva os filhos a economizar ou tem a postura do género "quando morrer o dinheiro não vai connosco para a cova"? Convém perceber qual destas duas é a correta, ou pode estar a condenar os seus filhos a terem uma vida com sérias dificuldades quando forem adultos.


Quatro passos para os seus filhos serem meninos de ouro

Justine Trueman refere quatro elementos-chave que são fulcrais e que deve abordar quando explicar o mundo das finanças aos seus filhos.

1. Gastos (ou despesas)

São o mais fácil de explicar a uma criança, já que os próprios miúdos estão muito familiarizadas com esse elemento, tendo a perfeita noção que o que pedem implica precisamente gastar dinheiro. Por isso mesmo, há que transmitir que o dinheiro se deve gastar em bens necessários e que o restante deve ser aplicado de forma correta e responsável. É importante sensibilizar uma criança colocando-a perante opções de gastos. Por exemplo: "o dinheiro que temos só dá para uma coisa das duas que queres. Qual preferes?". Desta forma sentirá a responsabilidade de ter de tomar uma decisão, o que a ajudará, entre outras coisas, a amadurecer.

2. Poupanças

O conceito de poupar é demonstrar como as crianças podem alcançar o seus objetivos, basta que saibam ser pacientes. Por exemplo: se guardar as pequenas quantidades de dinheiro que vai recebendo, pode ao fim de um tempo finalmente comprar a tal bicicleta tão desejada.

Um bom truque é pedir a uma criança que escreva ou diga quais são os seus objetivos financeiros para um novo ano. A seguir, sente-se com o seu filho e ajude-o a elaborar uma estratégia para alcançá-los. As crianças adoram solucionar problemas, sobretudo se a recompensa final for algo que queiram muito.

3. Investimentos

Este elemento não é o mais fácil de explicar a um miúdo, sobretudo se a criança ainda for muito nova. No entanto, existem alguns bons jogos de tabuleiro que ensinam a aplicar o dinheiro em coisas úteis. É o caso do Monopólio , ou do Ethica , dois exemplos de jogos educativos para explorar o impacto social e ambiental dos bancos, investimentos e negócios.

No seu livro, Justine Trueman refere ainda uma competição anual de bolsa entre estudantes, a Shares4Schoo , muito útil e didática, onde os participantes criam um portfólio de ações e competem com crianças de outras escolas. A ideia é ensinar os petizes a investir no mercado bolsista, sendo que, em muitas ocasiões, essas crianças não só conseguem obter resultados acima do desempenho desse mercado, como também de muitos profissionais da área, conta a jornalista.

4. Caridade

Este é um elemento fácil de introduzir nas crianças. Os miúdos gostam de se sentir úteis, sobretudo no que toca a ajudar alguém. Há vários estudos que mostram que o envolvimento de crianças em obras de caridade não só aumenta a auto-estima, como também contribui em muito para o desenvolvimento da sua própria identidade.



Ensine as crianças a dividir o porquinho mealheiro (em inglês)



A Vida de Saltos Altos em livro


Autoras: Ana Areal, Liliana Coelho, Paula Cosme Pinto, Sofia Rijo, Solange Cosme

Editora: Plátano (coleção Livros de Seda)

Preço: 11,80€ em loja, 10,62€ se for adquirido via site da Editora Plátano

Páginas: 158

ISBN: 9789727708598


Saiba mais sobre o livro:

Um livro lançado... em Saltos Altos (vídeo e fotogaleria)
Blogue mais feminino do Expresso chega às livrarias (vídeo)


A Vida de Saltos Altos no Facebook

A Vida de Saltos Altos também está presente no Facebook. Na página desta popular rede social qualquer um pode ser fã deste blogue. Clique para visitar.



A Vida de Saltos Altos no Twitter

A Vida de Saltos Altos é presença assídua no Twitter, onde estão todos os posts deste blogue. Junte-se às pessoas que aí nos seguem. Clique para visitar.



Opinião


Multimédia

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Pois, é pena é já não ser tão fácil
explicar aos adultos que o dinheiro que gastaram, ou melhor, que o crédito que gastaram, era fictício e volúvel... daí ter desaparecido de repente como o éter e ser o principal motivo das enormes dívidas de muitas famílias portuguesas...
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub