1
Anterior
Dormir para ficar mais bonito
Seguinte
Crianças crescem mais fracas e a culpa é do computador
Página Inicial   >  Sociedade  >  Comportamento  >   E o palhaço sou eu?

E o palhaço sou eu?

Acha que tem problemas? Coloque um nariz de palhaço, olhe-se ao espelho e pense outra vez. Rir-se de si próprio e não levar a vida tão a sério é o que propõe um curso de "clown"
|
O workshop dirige-se a todos os perfis e idades e propõe-se acabar com obstáculos como a timidez, a vergonha e o medo de enfrentar uma plateia

São momentos complicados, como o desemprego, o divórcio ou a manifesta falta de dinheiro, que nos fazem perder a capacidade de rir. E, quando a vida precisa de uma reviravolta, o humor pode ser o melhor aliado. Clown é uma técnica que pretende ensinar-nos a rir de nós próprios e que promete ajudar nessa reviravolta.

Esta técnica aplica-se em workshops de desenvolvimento pessoal que o podem colocar em contacto com o seu lado mais ridículo. José Sebastião, orientador de uma dessas formações, a que assistimos, esclarece: "É um curso muito associado à ideia de mudança e renovação, sobretudo para quem anda frustrado com o trabalho ou o relacionamento. O palhaço que há dentro de si acaba por brincar com esse desconforto. E o curso promete deixá-lo com a confiança fortalecida e levá-lo a dizer: 'Não estou para continuar a viver insatisfeito'."

O workshop dirige-se a todos os perfis e idades e propõe-se acabar com obstáculos como a timidez, a vergonha e o medo de enfrentar uma plateia, através da aplicação da técnica de clown, graças à qual o aluno se liberta de preconceitos e inibições que se foram enraizando em si ao longo da vida.

A formação não é artística, por isso não tenha medo, pois não terá de dar espetáculo ou fazer um número de circo após realizar o curso. Além disso, a técnica de clown e a do palhaço do circo tradicional são coisas distintas. "Ao contrário do palhaço, o clown preocupa-se mais em rir-se de si próprio do que em fazer rir os outros. O clown expõe as suas fragilidades e receios e partilha o desconforto com o público, é um trabalho muito terapêutico", explica Sebastião, que começou a dar formação de clown em 2005, após a realização de um curso sobre a técnica com o espanhol Alex Navarro, ex-palhaço do Cirque du Soleil.

Sebastião assegura que as desgraças e as derrotas assumem uma faceta diferente se as encararmos com novos olhos e um novo nariz. "O palhaço consegue obter sucesso através do fracasso. Ele vive cada experiência como uma coisa única, nova e vibrante. Aquilo que para nós é um problema que não conseguimos resolver é para o palhaço apenas mais uma experiência com a qual ele tenta brincar", observa Sebastião, que todas as semanas acrescenta uma bata branca à sua ensemble de palhaço e vai "dar consultas" a crianças internadas no Hospital da Luz, em Lisboa, com a equipa do projeto solidário Curativos de Humor.

Expor-se ao ridículo 


O curso de clown sugere que as pessoas abandonem a sua zona de conforto e se exponham a registos ridículos e vulneráveis. José não quer revelar muito - afinal, assegura que parte do sucesso do curso deve-se ao fator surpresa e ao improviso -, mas, ainda assim, deixou-nos assistir ao início de uma aula do nível 2 do curso.

No exercício que testemunhámos nesta aula, os alunos foram encorajados a dançar ao mesmo tempo que expressaram um determinado tipo de emoções: a loucura, o riso, a depressão, o aborrecimento, a sensualidade, a irritação, etc. É notável uma grande descompressão na postura. A mensagem que se pretende alcançar é: "Não interessa como é que os outros me estão a ver, o importante é que me estou a divertir comigo mesmo."

Teresa Monteiro, 48 anos, professora de profissão e aluna desta formação no nível 1 e agora no nível 2, conta que se inscreveu com o intuito de se libertar da pressão do dia a dia e, ao mesmo tempo, aprender técnicas para tornar as suas aulas mais motivadoras. "Cresci, aprendi a aceitar-me e a dar menos importância ao que vejo do outro lado do espelho", conta. E dá um exemplo de como já aplicou a técnica de clown: "Numa reunião de departamento, coloquei umas hastes de veado na cabeça e despachei os assuntos formais. Coloquei o meu nariz de palhaço e distribuí mais narizes pelos meus colegas, coloquei música e, com o auxílio de um piaçaba, dei-lhes indicação para me imitarem. Foram 20 minutos de libertação. Acabámos a dançar." E o ambiente de trabalho melhorou, afiança.

Também João Cunha, 35 anos, fez o curso e diz que "é como se tivesse adquirido um novo filtro para ver a vida. Descobrir que as respostas estão sempre em nós e não nos outros muda a vida de qualquer um". João é comediante stand-up e considera que esta técnica é uma mais-valia para o seu trabalho.

Sebastião, conhecido como "Mestre Palhaço", conclui que "o humor e o riso são formas de as pessoas se perdoarem e libertarem". Afinal, como disse o escritor Oscar Wilde, a vida é demasiado importante para ser levada a sério.

Publicada na Única de 2 de Abril de 2011


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sorri com Djavan
Essa do risoi fazer bem para a saúde já não é-me novidade, por isso eu vivo sempre a sorrir. http://onebitchcrazy.tumb...

Sorri
Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios
Sorri
Quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador
Sorri
Quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doridos
Sorri
Vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub