Anterior
E os velhos que lixavam os putos nos carrinhos de choque?
Seguinte
Angélico, Sónia Brazão e o estrume da comunicação social
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Dr. Passos e Dr. Portas: vão roubar para a estrada!

Dr. Passos e Dr. Portas: vão roubar para a estrada!

|
Acho que a escolha de um primeiro-ministro devia ter um período experimental, como a roupa, os cd's ou o último livro da Margarida Rebelo Pinto que tiveram a infeliz ideia de me oferecer e que devolvi 2 horas depois (alguém sabe explicar porque é que os livros desta senhora trazem sempre um brinde? O livro não chega? Só falta fazerem uma edição com um penso higiénico agarrado).

Digo isto porque esta coisa de eleger um primeiro-ministro ou outro político qualquer tem o lado perverso de ficarmos agarrados ao "bicho" durante uns anos, sem possibilidade de o despacharmos só porque nos apetece "comprar" antes umas havaianas das que brilham no escuro ou uma bicicleta de montanha.

"Não gosta? Tem quinze dias para trocar. Traga é o boletim de voto. Devolvemos-lhe o dinheiro ou troca por outro artigo do seu agrado. Temos economistas, engenheiros, engenhocas, historiadores, contadores de histórias, filósofos e até artigos sem título e outros com título inventado num domingo qualquer. É à escolha meu amigo, aqui ninguém fica mal servido". Isto sim seria o ideal social. Apesar de irreal e utópico porque neste país para se chegar a um acordo é preciso morrer uma das partes.

Se não gostar do que "levou para casa" ou não lhe servir e optar pela restituição do dinheiro devolvemos igualmente tudo o que o artigo lhe retirou entretanto. Seja o dinheiro extra das portagens, dos impostos, subsídios e até aquilo que ainda não lhe foi sonegado mas que será nos próximos quatro anos, acredite. Quando voltarem a pôr a esquerda no poder vão estar os gregos a usar a expressão "estes viram-se portugueses para cá chegar".

Este artigo PSD-CDS que ganhou as eleições e que achava em tempos um ultraje o aumento de impostos a primeira coisinha que fez foi roubar, repito: ROUBAR, e digo isto para que não façam confusão com a palavra "pedir" ou "encontrar" por aí no chão ou assim, metade do subsídio de Natal aos portugueses. Até quem se sustenta a recibos verdes (meio mundo, o outro e alguns portugueses) terá de inventar um mês extra e fictício para entregar metade do que não ganhou (só na cabeça de alguns génios...) ao Estado. Haverá coisinha mais ridícula? Não. Não há. Talvez apenas aquele programa das tribos da TVI com aquele individuo híbrido.

Não contentes vamos lá aumentar o preço dos transportes públicos (belo incentivo ao uso dos mesmos sim senhor, que mentes brilhantes - como as havaianas mas com menos visão) e cobrar portagens em tudo o que tenha duas faixas de rodagem e onde caibam dois carros colados um ao outro. Mesmo que sejam dois papa-reformas. "Reformas"? Esqueçam! Papar é o que estes senhores nos fazem todo o santo dia.

E vergonha? Nenhuma. São todos iguais. Nem o cheiro muda. Os governantes em Portugal deviam ser obrigados a andar com saquinhos de alfazema nos bolsos. A única diferença entre o PS e o PSD é mesmo o "D".
Acompanhe o 100 Reféns no Facebook

Na página oficial do 100 Reféns no Facebook juntam-se pessoas que gostam e que não gostam, que odeiam e que adoram, que veneram e que detestam, mas que não são indiferentes a este blogue do Expresso. Dê um passo e junte-se a nós.

Clique no link para aceder à página do 100 Reféns no Facebook .



Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 30 Comentar
ordenar por:
mais votados
O Karma é lixado
Tiago, aprecio o tom bem-humorado sobre um assunto que nos escorrega mal. Não sei se consigo acompanhar.

Eu, pelo menos, consigo abstrair-me da casa que arde e apreciar a beleza kármica de tudo isto. Ás eleições concorreram 17 partidos e para não variar ganhou o PS/D. Desta vez com o D no fim e com a moleta da marca CDS.

Como alguém disse e muito bem, estupidez é apostar nas mesmas soluções para obter resultados diferentes.

Concedo que existem muitos partidos e nenhum bom, mas pelo menos variava-se. Se me poupassem às imagens de banhos de multidão na TV, quer por portugueses do Porto quer por portugueses do Paquistão (se é que me entendem...), era um grande favor que faziam ao meu estômago.
Eh, carapau!!!
Esta é forte! Insinua algo muito grave...
TM
É democracia onde o pobre tem azia.
Mas como já afirmei a AR me parece mais uma associação de, toda a gente o sabe.
Nesta democracia deram-nos o direito de falar, mas temos de o pagar e bem pago.
Críticas
Estou a ver que hoje o Sr.Mesquita se encontra num estado de espírito um pouco deprimido. As críticas abundam e as tiradas satíricas não lhe saíram lá muito bem.
A propósito da crítica "literária" que faz ao livro da Sra. Margarida Rebelo Pinto, fez-me lembrar a tirada de Groucho Marx: "Desde que peguei no seu livro até que o pousei não parei de me rir. Um dia conto lê-lo".
Faz-me também lembrar o facto de ser o senhor agora também um ilustre escritor publicado. Como lhe estão a correr as vendas do seu livro?

Compreendo o seu sentimento de desilusão e de se sentir "roubado" por este governo. Talvez o Sr. Primeiro-ministro pudesse arranjar uma forma de, pelo menos, acalentar esperanças nos cidadãos que agora tanto sofrem. Mesmo se não têm meios para lhes dar nada, ao menos tente dar-lhes uma visão de missão e de legado que estão a construir para deixar aos que virão.

Cumprimentos,
Calma aí !!!
1º Não é novidade as promessas eleitorais serem rompidas.
2º Deveria haver um sistema de penalização para isso.
3.º Porque é que quem vive no interior há-de subsidiar os transportes em Lisboa ? Agora até eles vão pagar nas scuts.
4º O problema em Portugal é haver estado a mais, há que centrar o estado nas funções essenciais e acabar com a subsidio dependencia.

5.º A justiça social através de politicas fiscais se quisermos dá pano para mangas e para o estado gastar cada vez mais.
6.º Temos de pagar cada vez mais impostos porque o estado gasta cada vez mais; se gastasse cada vez menos pagávamos cada vez menos impostos.
7.º Quanto mais pagamos de impostos, menos dinheiro sobra para a economia real.

Solução ? O Estado emagrecer de forma radical, talvez naquele programa da SIC se consiga a proeza.
É O VIRA DE PORTUGAL ...
O vira é uma das danças mais antigas de Portugal. O nome da dança deriva do verbo virar, uma referência a um dos seus movimentos mais característicos. O vira é normalmente acompanhado por um repertório vocal em forma estrófica, com ou sem refrão. Existem inúmeras variantes do vira.
Em algumas execuções, o cantador solo manda os bailadores virar gritando a palavra "virou".
"Ora agora "sacas" tu ... ora agora "saco" eu ... Virou ...
Ora agora "sacas" tu ... "sacas" tu ... mais eu ...Virou ...
Doeu-se....
Ó Tiago.....

As coisas correm-lhe mesmo mal......

Você foi um dos que se fartou de desancar no Zé de Sousa e estender a passadeira ao Coelho para o tirar da cartola.

Era vidrado na Catherine Deneuve.

Eram os salvadores da nossa amada pátria.

Fiquei convencido que depois do 5 de Junho lhe arranjassem um tachito na paróquia da Lapa para escrever as memórias dos artistas, aliás, a exemplo do seu vizinho Fox.

O que constato...

O vizinho anda deprimido e está a braços coom uma crise existencial.

Você, desapareceu, reapareceu com umas larachas sem pés nem cabeça, criatividade de férias e varrido de ideias, decidindo-se a lançar um livro.

Não sabemos quantos metros conseguiu atingir no lançamento e se com isso conseguiu os mínimos olímpicos.

Agora resolveu arranjar outros bomobos da festa. Pela amostra anterior de maldicencia você com estes gajos vai ter matéria para escrever todos os santos dias.

Só agora deu por ela???

Quem antecipava isto era conotado com os xuxas não era?

Mas você arfava, suspirava, ansiava, ardia de desejo por ver estes camafeus a abocanhar o tacho e tecia loas aos abutres...

Agora queixa-se....Ahahahahahahahahahahah

Entraram-lhe no bolso. Isso, vá por mais uma velinha....

Mas nem se devia queixar. Aliás, você não tem sequer o direito de o fazer.

Pode sofrer, rabiar, arrancar os cabelos que eu vou aplaudir.

Você o quis. Aguente-se à bronca!
TM
Não precisam têm licença especial.
Criticar, deitar a baixo, e o que propõe?
Caro jornalista,

Será que o importante é criticar sempre tudo?

Será que nada se aproveita?

Será que nenhuma solução é possível?

Eu bem sei que:

- É fácil deitar abaixo;

- É cómodo distanciar-nos;

-É conveniente criticar.

O que se pretende?

Talvez nada, talvez isto agora, ou aquilo depois!

Criticar e criticar sempre, é estar do lado da multidão e alertar o poder, para o poder que o jornalista tem.

Os jornalistas, devido a este jogo, deixaram de ser a "consciência" do povo, deixaram de representar "a voz do povo", embora alguns ainda pensem que o são.

Alternativas
Tiago,

Para falar mal e insinuar, não tem pejo nenhum...
E alternativas? Isso é que já é mais complicado, porque falar mal todos o fazem...
Cresça e deixe-se de comentários sem qualquer nexo.
Todos os Portugueses já perceberam o estado em que as coisas estão... De quem é a culpa? DOS POLITICOS! Não do PS ou do PSD ou do CDS ou do BE! Todos votaram a favor e contra conforme lhes deu mais jeito... Quem paga? Eu, você e todos os outros!
Agora, se não concorda, seja homenzinho e DÊ ALTERNATIVAS! Têm um óptimo pulpito para isso!
Das duas, uma
Eu não me importo de pagar..
Ou não me importaria de pagar se esta medida fosse justa!
Mas antes de virem buscar metade DO QUE ESTÁ ACIMA DO ORDENADO MÍNIMO (o sr. TM esqueceu-se desta parte) do meu sub de Natal, quero que se faça o seguinte:

- Fiscalizem os rendimentos mínimos e ajudas do estado, em Braga à uns tempos, uma directora da Segurança social disse numa entrevista a um jornal local que existiam famílias emigrantes (romenos) e receber 2600€ por mês, devido a terem agregados de 12/15 elementos todos a receber apoios;
- Fiscalizem os apoios ao estudantes, como podem os filhos de pessoas com património continuar a receber apoios nas escolas e universidades e os trabalhadores por conta de outrem ficarem fora desses apoios, Na escola dos meus filhos, pais que levam os filhos e BMW e Mercedes NEM SEQUER UM LÁPIS PAGAM, toda a gente sabe disto E NINGUÉM FAZ NADA;
- Não paguem 1886 a um Motorista com 21 anos, porque quando tiver 40 está receber 2500 e vai-se reformar com mais e 4000 e depois não há dinheiro para todos;
etc etc

Querem esforços? Querem parte do meu Subsidio de Natal? Não há problema, vamos todos ajudar! MAS SEJAM JUSTO!
 
Re: Eu não me importo de pagar..
Re: Eu não me importo de pagar..
Re: Eu não me importo de pagar..
Fantástico!!!
Caro Tiago:
O meu amigo e alguns portugueses conseguem ver exactamente o contrário daquilo que o resto do mundo viu: um governo com uma atitude completamente oposta à do anterior.
Por outro lado, toda a gente sabia que, fosse qual fosse o partido do governo saido das eleições, a hora de apertar o cinto havia chegado, como resultado da política de um primeiro-ministro apostado em empobrecer o País.
Apesar da falta de honestidade intelectual do seu artigo, felicito-o pelo humor.
Cmpts.
Re: Fantástico!!!
O artolas voltou
Um artigo sem ponta por onde se lhe pegue apenas porque não há nada para dizer. O artista, digo o articulista, insurge-se contra as medidas de austeridade já tomadas pelo governo mas não diz nada sobre as décadas de regabofe à custa dos contribuintes que nos conduziu a esta situação. E avaliar um governo ao fim de 1 mês é porque realmente não há mais nada sobre o que escrever.
Ena...
como tanta gente que usualmente o aplaude agora lhe "virou o dente".
Sabe, este é o país das "palas". Por isso esta alternância sem período "à experiência". Só se vê a direito, tipo "para a frente e para trás", "os de hoje, ou os de ontem"...
E assim justificam a falta de "período experimental"...
Melhor, experiência não lhes falta.
Outro que tomou a pílula vermelha!
Aliás, diria mesmo que muitos daqueles que acreditaram em coisas como: "Este é diferente", "Este fala a verdade", "Temos que ter esperança neste, é novo" ou "Agora é que isto vai para a frente" estão a tomar essa pílula vermelha e estão finalmente a acordar para a vida!
Mas o Tiago Mesquina e outros que não se enganem... Não é só em Portugal que os políticos são a merda que são. Há uma oligarquia internacional, corrupta, criminosa, manipuladora, que enche as TV, jornais, etc com mentiras e estende os seus tentáculos imundos um pouco por todo o mundo!
Comentários 30 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub