Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Orçamento do Estado 2011

Ferreira Leite: Falar em crise política é "descrença total para os mercados"

  • 333

Para Manuela Ferreira Leite, «se houve coisa negativa» no primeiro dia de debate do Orçamento do Estado «foi quando o ministro das Finanças aludiu à ideia de que estava preparado algum golpe no sentido de haver uma crise política nos próximos seis ou oito meses»

Tiago Petinga/Lusa

No debate de hoje sobre o Orçamento do Estado, Manuela Ferreira Leite pediu ao PS para não manifestar publicamente desconfiança do PSD, fingindo que são "todos muito amigos", para que externamente passe uma imagem de estabilidade. Clique para visitar o dossiê Orçamento do Estado 2011

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment="[if gte mso 10]>

Manuela Ferreira Leite, deputada e ex-presidente do PSD, criticou hoje o ministro das Finanças por ter falado num cenário de crise política daqui a seis meses, considerando que isso "é uma descrença total para os mercados". 

Clique para aceder ao índice do dossiê Orçamento do Estado 2011

Numa intervenção no debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2011, no Parlamento, Manuela Ferreira Leite pediu aos socialistas para não manifestarem publicamente desconfiança do PSD, fingindo que são "todos muito amigos", para que externamente Portugal tenha uma imagem de estabilidade.

Segundo a antiga ministra das Finanças, "se houve coisa negativa" na terça-feira, primeiro dia de debate do Orçamento do Estado, "foi quando o senhor ministro das Finanças, da bancada do Governo, referiu, aludiu à ideia de que estava preparado algum golpe no sentido de haver uma crise política nos próximos seis ou oito meses".  

Críticas ao discurso de Teixeira dos Santos

"Se o senhor ministro das Finanças pensa isso, peço desculpa mas não o deve dizer publicamente", defendeu Manuela Ferreira Leite, recebendo palmas da bancada do PSD. 

"É que eu acredito que os mercados olhem muito mais às afirmações do senhor ministro das Finanças do que às afirmações que fazem os deputados e a sua afirmação é uma descrença total para os mercados. Os mercados não funcionam com aquilo que acontece hoje, funcionam, no mínimo, a seis meses, e o senhor já lhes anunciou que daqui a seis meses, na sua perspetiva, há uma crise política. Não é possível haver um ministro das Finanças que diga isto num momento em que nós queremos é a viabilidade do Orçamento", completou a ex-presidente do PSD. 

Antes, dirigindo-se para o socialista Afonso Candal, Manuela Ferreira Leite pediu: "Se o senhor deputado tem algum problema com o PSD, alguma desconfiança, alguma falta de crença no PSD, não o diga publicamente senhor deputado, finja, finja que estamos todos muito amigos". 

E Manuela Ferreira Leite continuou: "Sabe porquê, senhor deputado? É que nós, ao viabilizarmos o Orçamento, é com o objetivo de fazer crer aos mercados que nós temos aqui algo que é necessário ser concretizado. Não podemos nós fazer este esforço em nome do interesse nacional e os senhores imediatamente discordarem disso e acharem que estão desconfiados de nós", justificou.