Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

O resgate de Portugal

CDS dá "apoio condicional" ao pedido de ajuda externa

  • 333

Portas avisa que financiamento de emergência não pode condicionar debate eleitoral. Clique para visitar o dossiê O resgate de Portugal

Filipe Santos Costa (www.expresso.pt)

Paulo Portas anunciou hoje que o CDS dá "apoio condicional ao pedido de ajuda externa". Segundo o líder centrista esse apoio será apenas na medida em que o acordo com a Comissão Europeia se limite ao financiamento de emergência para acudir às situações mais urgentes de tesouraria do país. Não pode, no entanto, comprometer as opções politicas apôs as eleições legislativas. 

Clique para aceder ao índice do dossiê O resgate de Portugal

Lembrando que o governo ainda não esclareceu " nem a natureza nem os limites" do pedido de ajuda, Portas estabeleceu a orientação do CDS sobre esta matéria: "Podemos concordar com um pedido de ajuda de emergência para uma situação de emergência, mas não concordaremos que esse pedido substitua a escolha livre dos portugueses".

Em conferência de imprensa na sede do partido, Portas considerou que se enquadra nas competências de um governo de gestão " dar solvência aos nossos compromissos no curto prazo", pois isso "é necessário e urgente" - ou seja enquadra-se naquilo que a constituição define como competência de um governo de gestão. Mas nada mais do que isso. E deixou um recado para ser ouvido em Bruxelas: " a União Europeia junta estados constitucionais e democráticos", portanto não pode forçar os limites da constituição nem condicionar uma eleição que já está marcada.

Paulo Portas reafirmou o compromisso do CDS em  relação às metas de redução do défice este ano e nos próximos, mas avisou que a forma de conseguir essa redução será uma questão central no debate até às eleições legislativas. Após esse debate, em que os partidos apresentam as suas propostas para travar a divida, reduzir a despesa e reanimar a economia, o novo governo " terá legitimidade reforçada" para definir o que fazer.