Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Caso BPP

Ulrich acusa Governo de transformar BPP num problema sistémico

  • 333

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, considera que o decreto-lei que interpreta a lei do sistema de protecção dos investidores passa os riscos do BPP - uma "ovelha negra" do sector - para a restante banca, transformando este caso num problema sistémico.

J. F. Palma-Ferreira

O novo decreto-lei que foi criado para interpretar a lei que enquadra o sistema de protecção dos investidores "acrescentou novas regras - que não existiam na lei -, alterando as regras do jogo", o que "transformou o caso do BPP num problema sistémico", considera o presidente da Comissão Executiva do BPI.

Fernando Ulrich, à margem da apresentação dos resultados do BPI relativos ao primeiro semestre de 2009, diz que o novo decreto-lei "acrescentou normas que não existiam e que não permitiam ir pelo caminho que se está a seguir".

"Lamento que este decreto-lei tenha sido publicado, porque esta não é uma maneira de se trabalhar", refere Ulrich, apelando a que o Governo e o primeiro-ministro, José Socrates, "pensem no assunto com cabeça fria".

Para o presidente do BPI, a banca não teve qualquer informação sobre a situação efectiva do BPP, o sector financeiro nunca teve qualquer indicação da parte das autoridades competentes sobre as operações em que o banco entrou e os seus problemas não poderiam constituir riscos sistémicos. "Mas o novo decreto-lei transforma o caso do BPP num problema sistémico e configura uma situação em que os restantes bancos que lhe são concorrentes terão de pagar parte dos prejuízos do BPP, o que não se pode aceitar", diz Ulrich.

"O caminho que se está a seguir não contribui para criar a confiança necessária ao funcionamento do sistema financeiro", considera Ulrich. "E estas regras criam o precedente da banca ter de pagar os erros cometidos por uma ovelha negra", diz.

O BPI está a avaliar juridicamente o novo decreto-lei e tomará posteriormente uma posição mais fundamentada sobre o assunto.