Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Jogos Olímpicos 2012

A nadadora não meteu água e a velocista travou a fundo

  • 333

A primeira experiência de atletas femininas do Qatar nos Jogos começou bem na natação, com Nada Arkaji a fazer uma marca digna nos 50m livres. O problema chegou hoje, no atletismo: Noor Hussain Al-Malki, dos 100m, caiu por terra... aos dez.

Bruno Roseiro, enviado a Londres

O desporto no Qatar encontra-se em franca expansão: há dinheiro, vontade de investir em treinadores estrangeiros que possam melhorar a qualidade dos atletas nacionais, projetos gigantescos de infraestruturas (o Mundial de futebol de 2020 é o ex libris mas existem mais). Antigamente, o país era notícia porque 'contratava' atletas - pagava, naturalizava e lá conseguia ter alguns resultados; agora, essa lógica mudou e, pela primeira vez, duas mulheres fizeram parte da delegação nos Jogos Olímpicos. O epílogo da aventura em Londres é que não podia ter sido mais diferente...

Clique para aceder ao índice do Dossiê Jogos Olímpicos 2012

Nada Arkaji, filha de um ex-guarda-redes do Al-Sadd e da seleção, concluiu as eliminatórias da natação dos 50m livres em 59.º lugar entre 74 participantes. O tempo, 30s89c, ficou cinco segundos acima das atletas qualificadas para as meias-finais, mas a prestação foi digna. Sobretudo para alguém que treina 'apenas' duas horas por dia, seis vezes por semana, muito menos do que as nadadoras de primeira linha da atualidade.

O pior chegou hoje, no atletismo. Noor Hussain Al-Malki, que tinha o objetivo de bater o recorde pessoal nos 100m em Londres, não passou sequer dos... dez metros: lesionou-se, ficou no chão e acabou por ser retirada de pista em cadeira de rodas já como desqualificada. Aquela imagem típica que fica sempre para a história...

Saudita entrou e saiu em menos de dois minutos

Também a Arábia Saudita enviou a primeira mulher aos Jogos Olímpicos, a judoca Wojdan Shaherkani, na categoria de +78kg. E até esteve em risco de combater, por causa do véu, mas lá encontrou uma forma de tapar a cabeça sem ferir a religião e merecer a aprovação dos responsáveis da prova.

De forma expectável, o sonho da atleta caiu por terra (literalmente, via ippon) em menos de dois minutos logo na primeira eliminatória mas isso acabou por ser o menos importante. "Perdi mas da próxima farei melhor e espero um dia conseguir uma medalha", referiu à organização dos Jogos, na única entrevista concedida. "Claro que me senti perdida, assustada e com alguma pressão mas espero que este seja o início de uma nova era".