Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Euro 2012

Queiroz: "Queriam que o povo escolhesse o 23.º jogador do Mundial..."

  • 333

Carlos Queiroz, agora selecionador do Irão, aproveita a boleia de Manuel José e volta à carga com as críticas ao "circo" que interfere com os trabalhos da seleção nacional de futebol

Getty Images

Antigo selecionador concorda com as críticas lançadas por Manuel José ao "circo" montado à volta da seleção nacional. "Também me confrontei com tentativas, muitas vezes absurdas e até ridículas", diz Carlos Queiroz.

Bruno Roseiro (www.expresso.pt)

Qualquer distância consegue ser quebrada por um telefone. Neste caso, a distância entre o Irão, onde Carlos Queiroz comanda a seleção local, e Portugal - e são mais de seis mil quilómetros. E para agitar ainda mais as águas: o treinador corrobora as críticas de Manuel José sobre o alegado "circo" à volta da seleção e dá até exemplos práticos.

"Não me surpreende porque eu próprio me confrontei com tentativas, muitas vezes absurdas e até ridículas, de transformar a seleção num circo. Por exemplo, uma das iniciativas que me foram propostas antes do Mundial-2010 era a de escolher 22 jogadores e deixar que o povo escolhesse o 23.º. Diziam: 'Fazemos uma festa gira, pomos a malta a votar...", referiu o antigo selecionador em entrevista à TSF.

Carlos Queiroz foi mais longe e voltou às forças que o terão levado a sair do cargo: "Como me opus, ele [Gilberto Madaíl] mais tarde disse-me que essas pessoas é que estavam a dizer que me tinha de ir embora..."

Inácio defende Paulo Bento

E voltamos à Europa, mais concretamente à Roménia (que também não é perto mas aqui já entra o fator... férias), onde o treinador do Cluj, Augusto Inácio, sai em defesa de Paulo Bento.

"Os protocolos têm de ser cumpridos. Os jogadores não estiveram em festas nem em discotecas. Agora, admito que o tempo de preparação antes do Europeu tenha sido escasso, isso sim", destacou à mesma estação de rádio. 

"Paulo Bento deu um grande impulso à qualificação e temos de confiar nas suas capacidades. É que aqui entramos no domínio do 'preso por ter cão e por não ter': se não deixassem ver os interiores era porque não colaboravam, assim é porque já é um circo... Achei importante porque muita gente não sabe o que é um balneário e isso é uma abertura correta e importante", concluiu.