Siga-nos

Perfil

Expresso

Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

Kadhafi: "o que está a acontecer na Líbia é uma fantochada"

Numa gravação áudio ontem difundida pela televisão Arrai, o dirigente líbio deposto Muammar Kadhafi afirmou que a situação na Líbia é uma "fantochada" e apelou aos líbios para "não acreditarem" numa mudança de regime.Clique para visitar o dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

"O que se passa na Líbia é uma fantochada só possível graças aos bombardeamentos aéreos que não durarão eternamente", declarou o coronel Kadhafi numa gravação áudio ontem difundida pela televisão Arrai com base na Síria.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

"Não se congratulem e não acreditem que um regime foi deposto e que um outro foi imposto com a ajuda dos ataques aéreos e marítimos", afirmou o coronel, que continua a monte.

"É difícil depor o regime porque representa milhões de líbios", adiantou, afirmando que "todas as tribos líbias comunicaram à NATO que ninguém representa o povo líbio".

A cadeia de televisão árabe Arrai é o último "media" a receber mensagens de Muammar Kadhafi, em fuga desde a queda do quartel-general de Tripoli a 23 de agosto.

"Guerra psicológica e mentiras"

Kadhafi defendeu que "o único poder legítimo é o do povo e dos comités populares e qualquer outro (poder) é nulo e ilegítimo".

"Eu não exerço o poder desde 1977 quando entreguei o poder ao povo, marcando assim a criação da República de massas", adiantou.

Na anterior mensagem sonora, difundida a 08 de setembro pela Arrai, Kadhafi criticou violentamente "a guerra psicológica e as mentiras" referentes às especulações sobre a sua eventual fuga para o vizinho Níger.

A 12 de setembro, o antigo deputado sunita iraquiano Michane al-Juburi, instalado em Damasco, leu uma outra mensagem atribuída ao líder deposto.

General apoiante do coronel capturado

Entretanto, um importante general das forças fiéis ao ex-líder líbio Muammar Kadhafi foi capturado na passada segunda-feira no sul da Líbia, anunciou um responsável das forças do novo regime à AFP em Benghazi.

"O general Belgacem Al-Abaaj, chefe dos serviços de informação do antigo regime de Kadhafi na região de Al Khofra foi capturado esta segunda-feira pelas 17h locais (16h em Lisboa) entre a vila de Sebha e Oum Alaraneb", afirmou Mohamed Wardougou, ao indicar que o general foi capturado na companhia de membros da sua família.

De acordo com o representante da brigada do deserto em Benghazi, o general em causa "cometeu diversos crimes em Al Khofra", no sul do país, tendo fugido, quando a região foi libertada, para Al Joufra, no centro da Líbia". "Ele comandou as operações de sabotagem dos poços de petróleo", acrescentou.

Sul da Líbia sem água potável e eletricidade

Segundo Mohamed Wardougou, as forças do novo regime entraram na cidade de Sebha, onde já tomaram instalações como o aeroporto, ainda que os combates prossigam.

"Mais de 300 mercenários de Kadhafi fugiram" relatou o responsável, ao apontar que as forças do novo regime realizaram emboscadas, feriram, mataram e capturaram muitos" homens, mas sem referir números.

Mohamed Wardougou aproveitou ainda para lançar "um apelo urgente à França, Reino Unido e EUA, a todos os países do Ocidente, árabes e às organizações humanitárias para que prestem ajuda à população da região sul do país, que vive há meses privada de água potável, de eletricidade, de medicamentos e a braços com a falta de produtos alimentares.