Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Presidenciais 2011

Alegre condena lamento de Cavaco por a sua mulher só ter pensão de €800

  • 333

Manuel Alegre criticou Cavaco Silva por este lamentar que a sua mulher tenha uma reforma de €800 mensais, apontando que a maioria dos portugueses ganha menos. (Veja vídeo SIC) Clique para visitar o dossiê Presidenciais 2011

Manuel Alegre criticou hoje Cavaco Silva por este lamentar que a sua mulher tenha uma reforma de €800 mensais, apontando que a maioria dos portugueses ganha menos e que um Presidente deve estar ao lado dos desfavorecidos.

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ PRESIDENCIAIS 2011    O candidato presidencial falava em Soure, bastião eleitoral socialista, naquele que foi até agora o maior almoço comício da sua campanha.     Perante uma assistência entusiasmada, Alegre defendeu que Portugal precisa de um Presidente da República que esteja ao lado dos "desfavorecidos".

"1,5 milhões de pensionistas que vivem €450 por mês" 

"Um economista [Cavaco Silva] disse que tinha de proteger as pessoa com quem ele vive e que tem uma pensão inferior a €800 mensais. Mas a maioria tem um salário médio de €700 e há 1,5 milhões de pensionistas que vivem €450 por mês", contrapôs o candidato presidencial apoiado pelo PS e Bloco de Esquerda.     Alegre interrogou-se sobre a forma como vivem esses cidadãos com €450 mês. "É junto desses que o Presidente da República deve estar, é junto desses que é preciso uma voz de amparo", acrescentou.     Em Soure, Alegre deixou uma palavra de solidariedade em relação às vítimas das inundações no Estado do Rio de Janeiro e apelou às Nações Unidas para que atue no sentido de restabelecer rapidamente a democracia e o Estado de Direito na Tunísia.  

Ex-PSD ao lado de Alegre "por convicção" 

Antes do discurso do candidato presidencial, discursaram o líder do MIC (Movimento de Intervenção e Cidadania), o professor universitário Faria e Costa, e o presidente da Câmara de Soure, João Gouveia.     João Gouveia, que foi no passado do PSD, acusou Cavaco Silva derepresentar a tecnocracia e disse estar ao lado de Alegre "não por obrigação partidária, mas por convicção".