Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Nova crise em Gaza

Hamas: Obama é responsável pela impunidade de Israel

  • 333

Obama só se pronuncia depois de conhecer circunstâncias exatas do ataque israelita

Jason Reed/Reuters

"A decisão do Conselho de Segurança foi dececionante. Não esteve à altura do crime" do exército israelita declarou o líder no exílio do movimento radical islâmico Hamas. Clique para aceder ao índice do dossiê Nova crise em Gaza

O líder no exílio do movimento palestiniano Hamas considerou hoje "dececionante" a reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre o ataque israelita a uma frota humanitária que seguia para Gaza, acusando Washington de ser "responsável" pela impunidade de Israel.

Clique para aceder ao índice do dossiê Nova crise em Gaza

"A decisão do Conselho de Segurança foi dececionante. Não esteve à altura do crime" do exército israelita, declarou Khaled Mechaal a partir de Sana, no Iémen, acrescentando que "a administração de Obama é responsável pelo facto de Israel sair impune".

O Conselho de Segurança da ONU exigiu hoje uma investigação "imparcial, credível e transparente em conformidade com os critérios internacionais" sobre a intervenção militar israelita de segunda feira contra uma frota pró-palestiniana com ajuda humanitária para a faixa Gaza, controlada pelo Hamas, bem como a libertação imediata dos navios e civis detidos.

Segundo diplomatas, os Estados Unidos, apoiantes tradicionais de Israel na ONU, tentaram persuadir a Turquia, o país redator do texto, a evitar uma declaração mais dura contra o Estado hebreu.

A declaração foi aprovada após uma sessão do Conselho de Segurança que se prolongou por mais de 12 horas.

Khaled Mechaal falou aos jornalistas depois de um encontro com o Presidente do Iémen

Khaled Mechaal falou aos jornalistas depois de um encontro com o Presidente do Iémen

Khaled Abdullah/Reuters

Hamas apela à reconciliação com a Fatah

O líder do movimento radical islâmico, que falou aos jornalistas depois de um encontro com o Presidente do Iémen, Ali Abdallah Saleh, afirmou ainda que a abertura do terminal egípcio de Rafah, único ponto de passagem para a Faixa de Gaza não controlado por Israel, para permitir a entrada de ajuda humanitária, marcou "uma verdadeira resposta ao crime israelita".

A abertura do terminal foi hoje deliberada pelo Presidente egípcio, Hosni Mubarak.

O líder do Hamas no exílio manifestou ainda disponibilidade, sob certas condições, para uma reconciliação entre o Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde junho de 2007, e o partido Fatah do Presidente da Autoridade Palestiniana Mahmud Abbas, cuja autoridade é limitada à Cisjordânia.

"Face ao crime israelita, devemos tomar rapidamente uma verdadeira iniciativa de reconciliação que seja baseada no nosso direito de resistência e numa verdadeira parceria no desenvolvimento de políticas, segurança e do controlo das eleições na Cisjordânia", defendeu.

A reconciliação supõe igualmente "um congelamento das negociações (de paz) diretas e indiretas, utilizadas por Israel para encobrir os seus crimes", concluiu Khaled Mechaal.

Nove mortos

Comandos da marinha israelita atacaram um de seis navios que, com centenas de ativistas pró-palestinianos e toneladas de ajuda humanitária a bordo, pretendiam forçar o bloqueio a Gaza imposto por Israel.

Segundo o exército israelita, nove passageiros morreram e sete soldados israelitas ficaram feridos, dos quais seis foram hospitalizados, durante confrontos no ferry turco Mavi Marmara, a maior das seis embarcações, que levava a bordo cerca de 600 pessoas.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.