Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Motins em Inglaterra

Blair ataca Cameron em defesa da moral britânica

  • 333

Num artigo publicado no jornal 'Observer', o antigo primeiro-ministro britânico critica David Cameron sublinhando que os motins no Reino Unido não foram provocados pelo "declínio moral" mas por uma "juventude alienada". Clique para visitar o dossiê Motins em Inglaterra

O antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair rejeitou hoje que os desacatos em Londres tenham sido o resultado de um declínio moral, sublinhando que falar num "país fraturado" mancharia injustamente a reputação da Grã-Bretanha.

Clique para aceder ao índice do dossiê Motins em Inglaterra

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, defendeu que foi o "colapso moral" que provocou os motins que se prolongaram durante quatro noites em Londres e noutras cidades britânicas.

Num artigo publicado no jornal 'Observer,' Tony Blair rejeita esta ideia, sublinhando que a violência não foi provocada pela falência social, mas por uma "juventude alienada".

"A chave é perceber que eles não representam a maioria da sociedade", escreve Blair, acrescentando que "a Grã-Bretanha enquanto um todo não está a atravessar um 'declínio moral'".

Famílias "profundamente disfuncionais"

"A verdade é que muitas destas pessoas são de famílias profundamente disfuncionais, que funcionam de forma completamente diferente do resto da sociedade, quer sejam de classe média ou pobres", defende ainda o antigo primeiro-ministro britânico.

Tony Blair alerta ainda que dizer que os britânicos estão a atravessar um declínio moral irá deprimi-los e arrasar a sua reputação internacional.

Além disso, refere ainda, e "pior que tudo, é que irá fazer com que se perca a oportunidade de lidar com o problema da única forma possível".

Tony Blair abandonou o Governo britânico em 2007 e raramente comenta a política interna.

3300 crimes investigados e 1050 acusados

A polícia de Londres anunciou hoje que estão a ser investigados 3.300 crimes na sequência dos desacatos ocorridos na capital britânica no início de agosto.

A Scotland Yard confirmou que 1800 pessoas foram detidas e 1050 foram formalmente acusadas por alegado envolvimento nos distúrbios e roubos verificados no bairro de Tottenham e que, mais tarde, se alastraram por toda a capital e outras cidades inglesas.

A maioria dos crimes que estão a ser investigados são roubos, num total de 1102, seguido de estragos em veículos (399), assim como 301 furtos e 162 incêndios.

Além disso, a polícia londrina, que reviu um total de 20 mil horas de imagens gravadas em câmaras de vigilância, concluiu em 1100 o número de cenas criminais em 22 dos 32 bairros da capital britânica que foram afetados pelos distúrbios.

Um porta-voz da Scotland Yard assegurou que trabalho de investigação prossegue de forma "muitoestreita" com as comunidades locais que têm colaborado de forma "incalculável" com a investigação.