Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Fogo na Madeira

Madeira diz que incêndios têm origem terrorista

  • 333

Alberto João Jardim acredita que os incêndios que estão a abalar a ilha da Madeira desde o dia 18 têm origem criminosa.

O Governo Regional da Madeira acredita estar "perante um terrorismo incendiário" e  "espera que as autoridades competentes do Estado saibam averiguar, descobrir e punir", afirma a presidência do arquipélago em comunicado emitido hoje à tarde.

A ideia dos governantes da Madeira baseia-se na dispersão de pontos em que os incêndios iam sucessivamente ocorrendo, numa multiplicação de locais nunca antes vista, obrigando tecnicamente a uma dispersão de meios, os quais a Região dispõe para situações de catástrofe, mas nunca para uma impensada multiplicidade desta natureza".

Já na quinta-feira o presidente da Câmara do Funchal, Miguel Albuquerque, tinha dito que o incêndio de quarta-feira, em Palheiro Ferreiro, foi fogo posto, sublinhando a existência de testemunhas oculares.

Inquérito à RTP-RDP/Madeira

Ainda no mesmo comunicado, o Governo Regional da Madeira anunciou que vai pedir um inquérito à RTP-RDP/Madeira por alegadas notícias falsas sobre os incêndios que estão a deflagrar na ilha desde quarta-feira.

"Em termos de informação, o Governo Regional condena aqueles meios de comunicação social que falharam totalmente no rigor informativo que se lhes exigia criando assim alarmismo prejudicial com notícias falsas (...)", pode ler-se num comunicado divulgado esta tarde no site da Presidência.

"Assim, o Governo Regional decidiu pedir um inquérito à RTP-RDP/Madeira, quer  ao Ministério da tutela, quer aos respectivo Conselho de Administração", acrescenta.

Paulo Pereira, adjunto do gabinete de Presidência do Governo Regional da Madeira, explicou ao Expresso que o inquérito visa perceber porque se dão notícias erradas com consequências nefastas para a região e apelou ao cuidado dos media.

"Infelizmente há demasiadas notícias alarmistas sobre os incêndios. São só asneiras, deixem apagar os fogos. Se os meios de comunicação social não sabem informem-se", disse o responsável.

Contactado pelo Expresso, o diretor da RTP-Madeira, Martim Santos, disse não ter nada a comentar de momento, sublinhando que aguarda pelo desenrolar da ação.