Siga-nos

Perfil

Expresso

Face Oculta

Entrada na TVI "não passou de uma ideia"

Américo Thomati, presidente da Tagus Park explica como participou, a convite de Rui Pedro Soares, em reuniões "exploratórias" para entrar na TVI. Um negócio "de valor irrealizável" para a empresa, discutido entre Maio e Junho de 2008 com negociadores privados de que Thomati se recusou a dizer o nome. Por segredo profissional. Clique para visitar o dossiê Face Oculta

Rosa Pedroso Lima (www.expresso.pt)

O depoimento de Américo Thomati, presidente da sociedade Tagus Park, à comissão de inquérito ao negócio PT/TVI trouxe, de novo, à berlinda o nome de Rui Pedro Soares, arguido do processo "Face Oculta" e ex-administrador executivo da PT.

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ FACE OCULTA

Thomati assumiu ter sido convidado para presidir à Tagus Park por Rui Pedro Soares que, aliás, integrou em Maio de 2008 a administração da própria sociedade com funções não executivas. O facto do gestor pertencer à PT, que detém uma posição minoritária no Tagus Park (cerca de 6%), e ter endereçado o convite ao presidente executivo levantou estranheza ao deputado comunista, João Oliveira. Thomati recusou, assumindo que "não foi a PT que me elegeu, mas um acordo entre os accionistas".

O papel de Rui Pedro Soares parece ter sido vital para as negociações tendentes à expansão da Tagus Park para a área dos media, nomeadamente através de uma entrada na TVI. "A tentativa de abrir um 'cluster' de media foi sempre um objectivo estratégico, desde 2007", assumiu Thomati, acrescentando que o projecto só avançou em "finais de Maio de 2008".

Pela mão de Rui Pedro Soares - que entrou na Tagus Park em 5 de Maio desse mesmo ano - foram promovidas "negociações com um grupo de investidores privados" para estudar uma eventual entrada na TVI. O modelo podia passar ou por a alocação de espaços para instalação da TVI no parque tecnológico ou, na compra de uma participação no capital social da estação de Queluz.

Recusando-se, em nome do sigilo profissional, a revelar os nomes dos investidores, Thomati apenas fez questão de excluir a PT deste conjunto de potenciais interessados. Potenciais, porque, apesar dos encontros se estenderem até Outubro/Novembro de 2008, nada passou de "conversas preparatórias, de um lançar de ideias para cima da mesa".

O negócio ou a "ideia embrionária", segundo o responsável do Tagus Park não se viria a concretizar, porque "tinha fortes dúvidas em relação ao quadro jurídico, dúvidas se podia ter cabimento no estatuto da Tagus Park, além da impossibilidade de cabimento financeiro" a que acresce o facto de a Câmara de Cascais ter promovido "uma iniciativa mais favorável para instalação da TVI", com a criação da cidade do cinema.

O negócio orçava a perto de 300 milhões de euros, para uma empresa com um montante anual de cem milhões. "É óbvio que estamos a falar de um negócio que se cifrava em valores irrealizáveis", afirmou o administrador.

Conhecedor das ligaçoes de Rui Pedro Soares ao Partido Socialista, Thomati não notou "qualquer apetência pela TVI" por parte do gestor. Antes salienta as suas capacidades de captação de investimentos e a lista de contactos. "Rui Pedro Soares foi o elemento do meu conselho de administração que mais hipóteses de negócios trouxe ao Tagus Park", disse aos deputados.