Siga-nos

Perfil

Expresso

Portugal 2009

"Erro político grave", acusa Carlos Carreiras

A inclusão de António Preto e Helena Lopes da Costa, arguidos em processos judiciais, nas listas de deputados por Lisboa do PSD, é fortemente criticada por Carlos Carreiras, líder da distrital do partido. Veja o vídeo SIC no fim do textoClique para visitar o dossiê Portugal 2009

O líder da distrital de Lisboa do PSD, Carlos Carreiras, acusa a direcção do partido de ter cometido um "erro politico grave" ao incluir nas listas António Preto e Helena Lopes da Costa, a quem acusa de "más práticas" na capital. 

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ PORTUGAL 2009

"É um erro político grave que vai ter consequências para o PSD. Os valores que foram sempre defendidos não foram aqueles que foram praticados", afirmou Carlos Carreiras no final do Conselho Nacional do PSD, considerando que a Comissão Política Nacional prestou "um mau serviço" ao partido e ao país. 

O líder da distrital de Lisboa considera que "as marcas que caracterizam a liderança" de Ferreira Leite saem "muito afectadas". "Falhou o rigor, o premiar o mérito que sempre tem sido apregoado", precisou. 

Carlos Carreiras considera contraditório que a líder se tenha comprometido com legislação que impeça a candidatura de autarcas arguidos para a próxima legislatura mas não aplique estes pressupostos, já que tanto António Preto como Helena Lopes da Costa são arguidos em processos judiciais. 

"Refiro-me àqueles que foram dirigentes da distrital de Lisboa, António Preto e Helena Lopes da Costa, que não fizeram um bom serviço ao partido e que eu, enquanto presidente da distrital, ando a corrigir as tais más práticas", concretizou. 

Quanto à inclusão da ex-militante do CDS-PP Maria José Nogueira Pinto nas listas de Lisboa, Carlos Carreiras classifica-a como "uma incoerência". "É um erro táctico, o partido tinha de crescer à esquerda e não crescer à direita, não se pode apresentar uma candidata que apoia o partido nas legislativas e nas autárquicas está contra", disse. 

Carlos Carreiras reafirmou ainda que se manterá à frente da distrital de Lisboa. "Tenho eleições em Novembro, não entregarei a distrital àqueles a quem combato por más práticas no passado", garantiu.