Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Especial APDC

APDC dá contributo para melhorar administração pública (vídeo)

  • 333

As novas tecnologias da comunicação têm uma palavra a dizer no cumprimento das metas definidas com a troika. Quem assim pensa são os membros da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, que se reúnem em congresso quarta e quinta-feira. Clique para visitar o dossiê Especial APDC

A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações apresenta amanhã um estudo onde "foram identificadas oportunidades e áreas de melhoria na Administração Pública" que uma vez adotadas ajudariam Portugal, segundo os seus autores, a poupar, durante três anos, os tais 11 mil milhões de euros exigidos pela troika.

Realizado por um grupo de parceiros desta associação, o estudo será apresentado no 21.º congresso da APDC que terá como tema "Quantificar o Futuro" e decorre quarta e quinta-feira (dias 23 e 24) no Centro de Congressos de Lisboa (antiga FIL), estando desde já confirmada a presença do primeiro-ministro, Passos Coelho, na sessão de abertura.

As TIC e os new media

"Face ao esforço que se pede ao país, e numa altura em que é necessária uma enorme coesão social, a APDC entende que o sector pode e deve estar disponível para contribuir ativa e decisivamente para este duplo objetivo de consolidação e relançamento", afirmou Pedro Norton, presidente da APDC, durante a conferência de imprensa de apresentação do congresso.

E mostrou o caminho a seguir: "Para consegui-lo, as TIC e os new media terão de ser proativos, identificando oportunidades de transformação estruturais e de otimização de recursos, quer na Administração Pública quer no sector privado".

Segundo Pedro Norton, neste estudo são apresentadas "seis medidas concretas com objetivos quantificados, onde se recorre a soluções tecnológicas já disponíveis, testadas e com enorme vantagem de poder ser implementadas de imediato".

Modelos de negócio procuram-se

No primeiro dia do congresso destaca-se ainda o painel "Media e Convergência", durante o qual Paul Lee, coordenador do estudo "Predictions" da consultora Deloitte, abordará o impacto das rápidas mudanças tecnológicas no negócios dos media. Que posicionamento terão os media na cadeia de valor? Que revoluções se antecipam? Como podem contribuir para o desenvolvimento sustentado da economia e da sociedade?

Eis algumas questões a que Francisco Pinto Balsemão, presidente da Impresa (dona do Expresso), Guilherme Costa, administrador da RTP, e Miguel Pais do Amaral, administrador da Media Capital, que participam como oradores, deverão responder durante as suas intervenções.