Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Ministério da Saúde empurra para o São João degradação na ala pediátrica

Rui Duarte Silva

Administrador do hospital de S. João culpa o Ministério das Finanças pelas condições miseráveis em que crianças recebem nos corredores tratamentos de quimioterapia, enquanto a tutela da Saúde chuta todas as respostas para o hospital. Um jogo do empurra ainda sem fim à vista

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Um dia após vários pais terem denunciado que os tratamentos de quimioterapia em ambulatório estão a ser feitos num corredor do maior centro hospitalar da região norte, o Ministério da Saúde mantém-se em silêncio. Instalado em contentores desde 2011, o serviço de pediatria do Centro Hospitalar São João, no Porto, aguarda, entre avanços e recuos, a construção na nova unidade pediátrica, acordada na governação de Passos Coelho, em janeiro de 2015, através de um protocolo assinado pelo então secretário de Estado da Saúde, Manuel Teixeira, o anterior presidente do conselho de administração do São João, António Ferreira, e pela associação humanitária “Um lugar para o Joãozinho”.

No despacho nº4/2015 é referido que face “à relevância do projeto apresentado” pela associação de mecenas “no que se refere à doação da construção das instalações da ala pediátrica com vista à melhoria das condições de acolhimento e cuidados de saúde”, projeto do qual “não resultam quaisquer responsabilidades financeiras, seja para o Centro Hospitalar, seja para o erário público, nada parece obstar a que o conselho de administração do São João, EPE, aceite a doação de tal construção”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)