Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O elevado abandono no ensino superior prova que há um modelo falhado? “Essa conclusão é totalmente errada”

Manuel Heitor, ministro da Ciência e Ensino Superior

Foto Alberto Frias

Cerca de 29% dos alunos abandonam o ensino superior. A conclusão é do estudo “Situação após quatro anos dos alunos inscritos em licenciaturas de três anos”, da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. José Manuel Mendes, investigador do Centro de Estudos Sociais, afirmou ao “Público” que estes resultados são a “radiografia de um modelo falhado” e colocam em causa o sistema de acesso ao ensino superior, em que há desperdício de recursos. Em entrevista ao Expresso, Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, contesta totalmente essa ideia

Quase 30% dos estudantes abandonam o ensino superior, segundo dados relativos aos anos letivos 2011/2012 e 2014/2015. Como se explica este resultado? São números que o surpreendem?
Primeiro, sublinhar o esforço que temos tido em disponibilizar toda a informação possível para que termos um sistema de ensino superior e de ciência mais bem informado - estas são estatísticas que nunca tinham sido feitas. Segundo, é preciso ter cautela com estes dados porque se referem a um período crítico, particularmente complicado de crise financeira em Portugal. Sabemos pela história que todas as crises financeiras afetam claramente a participação no ensino superior. Estes foram anos em que o abandono do ensino superior foi maior. Assim, tendo isto em consideração, sei que neste momento os números são mais baixos mas continua a haver abandono. Compete às instituições de ensino superior, aos docentes, aos líderes dos programas, aos coordenadores, aos líderes das instituições abordarem de uma vez por todas a questão do abandono. Para termos uma sociedade mais inclusiva e justa temos de abrir o ensino superior a mais pessoas, porque temos estudantes em falta. É preciso garantir também maiores taxas de graduação e isso é uma responsabilidade das instituições, que têm de assegurar as naturezas e características individuais de cada estudante.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)