Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Exército brasileiro ameaça com intervenção para pressionar juízes do Supremo

Os 11 juízes do Supremo Tribunal decidem hoje sobre a possibilidade de prisão de Lula, num julgamento que está longe de ser pacífico

Foto Evaristo Sá/AFP/Getty Images

Julgamento de habeas corpus de Lula da Silva divide o país. Chefe do Exército deixa ameaça velada de golpe militar. Manifestações pró e contra o ex-presidente marcadas para a porta do tribunal em Brasília

Menos de 24 horas antes do início do julgamento no Supremo Tribunal Federal do pedido de habeas corpus para Lula da Silva, iniciado à hora de publicação deste Expresso Diário, o chefe de Estado Maior do Exército, general Eduardo Villas Boas, lançou gasolina para a fogueira via redes sociais.

Com dois tweets de “repúdio à impunidade”, o general deixou terça-feira à noite uma ameaça velada de golpe militar. Um tema recorrente por parte de militares na reserva desencantados com a situação política no Brasil, mas pela primeira vez assumido por um general no ativo. E muitos oficiais generais logo se declararam prontos a seguir o apelo de Villas Boas.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Onze pessoas têm o Brasil nas mãos”

    Os 11 juízes conselheiros (ou ministros) do Supremo Tribunal Federal (STF) decidem esta quarta-feira se o ex-Presidente Lula da Silva vai ou não para a prisão. O ministro Gilmar Mendes, que faz parte do STF, diz ao Expresso que “é uma decisão extremamente dramática” mas que, de qualquer modo, Lula é inelegível