Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

GNR garante estar “na solução do problema, a limpeza das matas, e não na caça à multa”

O valor da coima para quem não tem o(s) terreno(s) limpo(s) varia entre os 280 e os 120.000 euros

Foto Fernando Veludo/Nfactos

Os proprietários de terrenos que não os tiverem limpos estão a partir desta segunda-feira sujeitos a uma multa, que só fica sem efeito se assegurarem a respetiva limpeza até 31 de maio e fizerem prova disso. E o prazo pode até ser esticado mais um mês

Se possui um terreno e ainda não procedeu à sua limpeza é bom que trate do assunto, porque a Guarda Nacional Republicana (GNR) deu esta segunda-feira início à fiscalização da limpeza dos terrenos florestais e ao levantamento de autos de contraordenação. Trocando por miúdos, os proprietários que não tiverem o(s) terreno(s) limpo(s) estão a partir desta segunda-feira sujeitos a uma multa, que só fica sem efeito se assegurarem a respetiva limpeza até 31 de maio e fizerem prova disso mesmo. Como? Segundo o major Bruno Marques, chefe da divisão de comunicação e relações públicas da GNR, “o proprietário tem de dirigir-se à GNR, que vai ao local verificar”.

Caso não consiga ter o terreno limpo até essa data, mas faça prova de que o processo estará concluído até final de junho, a coima será arquivada. Isto porque tanto o governo como a GNR estão empenhados "na solução do problema, a limpeza das matas, e não na caça à multa", garante o major Bruno Marques, adiantando que "não é por causa de um dia ou dois que não vale a pena fazer a limpeza. Claro que vale a pena. Mas aconselho os proprietários a procederem à limpeza o quanto antes".

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)