Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Mais de metade dos enfermeiros portugueses dizem ter pouca saúde mental

José Carlos Carvalho

Estudo publicado esta sexta-feira na Universidade Católica indica que mais de 60% dos profissionais de enfermagem portugueses têm a perceção de sofrer de disfunções sociais, ansiedade e insónia ou até de sintomas de depressão grave. Mais de um terço toma psicofármacos habitualmente

O diagnóstico é feito pelos próprios e não augura nada de bom: quase dois terços (60,6%) dos enfermeiros em Portugal têm “uma perceção negativa da sua saúde mental”. Deste grupo, a maioria (94,1%) tem a noção de sofrer de disfunção social, seguida por sintomas de ansiedade e insónia (76%) ou até mesmo de depressão grave (22,2%). A avaliação consta de um estudo publicado esta sexta-feira na Universidade Católica sobre a saúde mental destes profissionais de Saúde, que esta sexta-feira cumpriram o segundo dia de greve, por melhores condições laborais.

Da autoria de dois professores de enfermagem — Paulo Seabra, da Escola de Enfermagem de Lisboa da Católica, e Joaquim Lopes, da Escola Superior de Saúde do Politécnico de Setúbal — e de uma enfermeira do Hospital da Luz, em Lisboa, Mariana Calado, o estudo contou com 1264 participantes e revelou ainda o alarmante facto de 36,8% dos enfermeiros tomarem psicofármacos com frequência. No concreto, 12,6% utiliza ansiolíticos, 12,3% indutores do sono/hipnóticos e 11,9% antidepressivos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)