Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A guerra “impossível” de Trump contra a China (que está a deixar muita gente assustada)

reuters

Economistas dizem que o presidente americano está ofuscado com o passado, preso a uma ideia nostálgica em que o protecionismo tinha mais hipóteses de funcionar. As novas taxas aduaneiras que a sua administração começou a aplicar a partir desta sexta-feira sobre mais de 100 produtos importados da China podem acabar por castigar os consumidores e a economia dos EUA. A Organização Mundial do Comércio, o G20, a União Europeia e outros aliados dos norte-americanos temem um efeito bola de neve. Os mercados estão assustados e muitas empresas americanas também

Donald Trump está preso ao passado, pelo menos é isso que apontam muitos jornais económicos dos EUA agora que o presidente abriu a sua primeira frente de batalha — comercial, bem entendido — contra a China. Essa estratégia tem por base duas ideias nostálgicas: que a economia norte-americana continua a dominar o comércio internacional e que a maior economia da Ásia, segunda maior do mundo, continua a depender da América.

Dados recentes apontam o contrário. Hoje, os EUA representam cerca de 25% do PIB mundial contra os sólidos 40% que registavam em 1960. A juntar a isso, a União Europeia, no seu todo, importa virtualmente neste o momento o mesmo que os EUA importam da China. Esta é a primeira parte de uma importante equação que espalhou esta sexta-feira o pânico nos mercados mundiais e nas empresas e indústrias dos EUA face a uma antecipada guerra comercial que o presidente dos EUA parece investido em travar — contra o gigante chinês mas também contra os seus parceiros nas Américas e na Europa, embora mantenha que, “para já”, União Europeia, Canadá e México vão ficar isentos de prometidas taxas aduaneiras sobre o aço e o alumínio.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)