Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“Quanto mais mulheres trabalham, maior é o fosso salarial”

getty

A diferença salarial entre homens e mulheres mantém-se há anos nos 16% e voltou hoje a ser confirmada pelo Eurostat. A Comissária para a Justiça e Igualdade de Género diz-se frustrada com esse facto e pede mais ação aos Governos. Portugal é o país onde o fosso mais aumentou entre 2011 e 2016. Vera Jourová pede ao Executivo português que procure as causas do problema

O relatório publicado esta quarta-feira dá conta da estagnação da diferença salarial entre homens e mulheres. Há vários anos que está nos 16%. Significa isto que os esforços feitos são insuficientes?
Sim. É o que isso significa. Vemos que a diferença salarial entre homens e mulheres está estagnada. Todas as propostas que temos feito têm de ser levadas à prática. Tentamos dar resposta à discriminação direta, quando há diferença de salários entre homens e mulheres que têm o mesmo trabalho. Isto é proibido pela lei e os Estados-membros deveriam garantir que a lei é aplicada. Depois existe a questão da família, que está principalmente nos ombros das mulheres, e isso também contribui para a diferença. E é por isso que estamos a propor medidas para melhorar as condições para as mães que trabalham. Estou muito frustrada com a estagnação destes números.

Olhando para Portugal: em 2011, antes do resgate, a diferença salarial entre géneros era de 12,9%, bem abaixo da média. Em 2015 era de 17,8% e os últimos números disponíveis, referentes a 2016, apontam para 17,6%. Portugal foi o país da UE onde a diferença mais aumentou. O que é que explica isto?
Há mais um fator, que tem a ver com a diferença no emprego. Em Portugal, a taxa de mulheres empregadas aumentou, mas também aumentou a diferença salarial. Isto é um paradoxo. Quanto mais mulheres trabalham, maior é o fosso salarial. Recomendaria ao Governo português - e vou discuti-lo com o ministro com esta pasta - que olhe para a origem desta tendência de aumento do fosso. Deve haver um problema estrutural no sistema. Quando tento entender este fenómeno de “quanto mais emprego, maior o fosso salarial”, percebo que a raiz do problema pode estar relacionada com os trabalhos em “part-time”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Mulheres portuguesas trabalham em média 79 dias por ano sem serem remuneradas

    Por cada emoji laboral feliz há uma história de desigualdade no mercado de trabalho: entre os portugueses com salários mais baixos, dois em cada três são mulheres; entre os portugueses com salários mais altos, há pelo menos uma diferença de €320 nos vencimentos de homens e mulheres, com prejuízo para estas últimas; a gravidez continua a ser um obstáculo na progressão na carreira; os lugares de chefia continuam a ser maioritariamente masculinos - e quando as mulheres lá chegam recebem tendencialmente menos que os homens; a Comissão Europeia diz que Portugal foi o país onde o fosso dos salários entre homens e mulheres mais aumentou entre 2011 e 2016. Esta quinta-feira é Dia Internacional da Mulher e há que falar sobre igualdade - ou a falta dela

  • A minha história não tem nada de especial e é justamente por isso que a tenho de contar

    Esta portuguesa vai chamar-se Filipa neste texto mas podia ser Ana, Maria, Francisca. Não usamos o nome real para preservar o ambiente na empresa onde trabalha. Porque Filipa começou a sofrer pressões ao lutar pelos seus direitos. “Já fui discriminada quando me disseram frontalmente que não iria ter um cargo superior por estar grávida do meu terceiro filho. Ou seja, nunca iria progredir na carreira porque optara pela maternidade. Não me arrependo, mas não me esqueço do que disseram”, escreve esta Filipa que podia ser Raquel. Ou Mafalda. Um texto na primeira pessoa, porque esta quinta-feira é Dia Internacional da Mulher