Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A bordo da ML7

tiago miranda

Faz esta sexta-feira 70 anos que a empresa do Metropolitano de Lisboa nascia. Mas teríamos de esperar onze anos para ver a primeira carruagem a circular no subsolo da capital. A ML7, que Américo Thomaz e o Cardeal Cerejeira inauguraram, tornou hoje a andar

O "maquinista Moniz" já está no posto, ao "leme", na cabina. Na verdade, as palavras corretas são “tripular a composição”, explica. Rui Ferreira, 48 anos, 24 de empresa, adora conduzir a ML7. Este é o nome da carruagem original que a 29 de dezembro de 1959 fez a primeira viagem oficial do Metropolitano, entre Sete Rios e os Restauradores. Esse percurso em Y, um simples ramal de 6,5 km, contou com a ilustre presença das mais altas figuras do Estado. O Cardeal Cerejeira e o presidente da República, Américo Thomaz, abençoaram a composição, de 24 carruagens, que hoje ostenta uma placa de madeira atrás da cabina do maquinista. Lê-se: “Serviu a empresa 41 anos e efetuou 3 044 021 km em serviço”. Uma fiel trabalhadora.

A ML7 é a preferida do maquinista Moniz: “Este é o material que mais prazer me dá a conduzir. É inteiramente manual, sem computador, sem nada automático”, mostra. “Aqui transpira-se mais”, brinca, falando literal e metaforicamente.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)