Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Vai ser a batalha do século

ilustração tiago pereira santos

Se Donald Trump cair da cadeira ou sofrer um enfarte depois do quinto bife com ketchup do dia, alguém terá de lhe suceder imediatamente e a Constituição dita que seja o vice-presidente e logo depois o presidente da Câmara dos Representantes. Mas se Trump aguentar até 2020, aí as coisas ficam mais interessantes, porque tanto os republicanos como os democratas (com 30! potenciais candidatos) têm nomes de perfis profundamente distintos habilitados para o combate. Mas estamos afinal a discutir os possíveis sucessores de Donald Trump porquê? Porque agora que ele cumpre precisamente um ano de presidência, optámos por fazer um balanço do que há de ser 2020 e há muita agitação. E estupefação: “Preocupa-me que um duelo entre Trump e Oprah Winfrey confirme que a era de Trump não foi uma aberração mas o novo normal”

Ana França

Ana França

texto

Jornalista

Helena Bento

Helena Bento

texto

Jornalista

Façamos justiça a Donald Trump. Se há coisa que o multimilionário do imobiliário provou com a sua eleição é que, nos Estados Unidos, o acesso à Casa Branca não é um caminho reservado apenas àqueles que, em detrimento das tardes de golfe e dos passeios de iate, se entregaram ao serviço público ou ao serviço militar toda a vida. Sem fazer parte da antroponímia política que caracteriza a realeza administrativa norte-americana, Trump tem fama e dinheiro e por isso é ele que se senta hoje atrás da belíssima secretária Resolute.

Que entre então em palco Oprah Winfrey, muito mais rica que Trump, muito mais bem-sucedida que Trump, uma mulher negra, com uma história de vida cheia de altos e baixos, filantropa a sério e consideravelmente mais empática. Nos Globos de Ouro deste ano, o seu discurso estava de tal forma irrigado de declarações políticas que antes de ela o terminar já a hashtag #OprahforPresident estava no topo das menções no Twitter. Mas será que a América agora só consegue entusiasmar o eleitorado com personagens oriundas do showbiz? Há vantagens e desvantagens, lá iremos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido

  • O que Donald Trump fez pelo menos 2140 vezes em 365 dias

    No início desta semana, por alturas do feriado americano dedicado a Martin Luther King, um artista do Haiti partilhou uma obra de arte que põe o rei da luta pelos direitos civis lado a lado com o atual Presidente dos Estados Unidos. Na gravura, King leva um dedo à boca em sinal de silêncio e tapa a boca de Donald Trump com a outra mão, enquanto o Presidente tenta publicar mais um tweet, na sua cabeça um boné com o slogan “Make America Great Again”. Foi este o contributo de Watson Mere para ilustrar o que foi o primeiro ano da presidência Trump

  • Um cretino* na Casa Branca

    Pode um rematado cretino fazer bem a um país? A pergunta é estranha e, pela lógica, só pode ter uma reposta negativa. E, no entanto… Um Presidente cujo debate à sua volta é sobre a sua sanidade mental pode, apesar de tudo, ter 38% de taxa de aprovação, mesmo sendo certo que a taxa de desaprovação é de 57%? Tudo isto é verdade, mas…

  • Trump, o grande esbanjador

    Este sábado assinala-se um ano sobre a tomada de posse de Donald Trump como Presidente dos EUA. Tanto no plano externo como no plano interno, a palavra-chave para descrever a sua ação é esbanjamento. Tanto da posição internacional norte-americana como do apoio político do eleitorado que contribui para a sua vitória