Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Os “artigozinhos” de Cristas que irritaram Costa

Tiago Miranda

António Costa afirmou no debate quinzenal desta quarta-feira, no Parlamento, que Cristas, ao escrever como escreve nos jornais, “desqualifica-se para ser parceiro na vida política democrática”. Desde outubro de 2016 que a líder do CDS escreve regularmente no “Correio da Manhã”. Fomos ler as linhas e as entrelinhas para perceber o que tanto incomodou o primeiro-ministro

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Editora de Política da SIC

António Costa falou no plural, nos “artigozinhos” na comunicação social que Assunção Cristas escreve “na frieza do seu gabinete”, mas para tirar o primeiro-ministro do sério terá bastado a última crónica (à data do debate quinzenal) que a presidente do CDS escreveu para o “Correio da Manhã”, e talvez em particular estas (as três últimas) linhas: “Este Governo das esquerdas unidas não tem arrojo nem ambição, não pensa no médio prazo e muito menos no longo. Como diria o outro, é muito ‘poucochinho’. Os portugueses merecem mais”.

O “outro”, neste caso, referia-se ao próprio António Costa, que em junho de 2014 classificou a vitória do PS sobre o o PSD nas eleições europeias (por menos de 4%) como “poucochinha”. Uma lembrança que não caiu bem a Costa que, quarta-feira, em resposta à intervenção da presidente centrista (que lamentara o “sectarismo inacreditável numa democracia madura” do PS ao chumbar 90 propostas do CDS de alteração ao Orçamento do Estado), acusou o toque: “Vossa excelência, ao estar na política como está, é que se desqualifica para qualquer consenso”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • O dia em que Costa riscou Cristas do mapa

    Primeiro-ministro recusou liminarmente qualquer possibilidade de consenso com o CDS. Líder centrista tinha lançado a escada sobre duas matérias, mas Costa foi duro e considerou-a “desqualificada” para sua parceira. Se no futuro o PS vai tentar uma aproximação ao Bloco Central, o CDS está, definitivamente, afastado do cenário