Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O mistério à volta do mais sangrento tiroteio americano

58 pessoas morreram nos Estados Unidos por estarem na mira de um atirador solitário

Foto David Becker /Getty Images

Ao início desta manhã, ainda noite de domingo em Las Vegas, um americano de 64 anos instalado num quarto do hotel Mandaya Bay abriu fogo contra o recinto do festival de música country Route 91 Harvest. Pelo menos 58 pessoas morreram e 406 ficaram feridas. O ataque fez renascer o debate sobre o acesso fácil a armas de fogo nos EUA, mas sobre isso, o Presidente que encontrou na NRA uma das suas maiores aliadas nada disse para já

Passava pouco das 22h30 no Nevada, já 6h30 da manhã em Lisboa, quando milhares de fãs de música country ouviram fogo de artifício a meio do concerto de encerramento de um festival a decorrer no Hotel e Casino Mandaya Bay, na famosa 'strip' de Las Vegas. No espaço de um minuto, a música parou e as pessoas começaram a fugir em pânico; afinal, o que tinham ouvido não eram foguetes, mas sim "centenas de tiros" disparados do 32.º andar daquele hotel contra o recinto do festival Route 91 Harvest.

As informações começaram por ser contraditórias, entre elas rumores de um outro tiroteio a decorrer nos arredores do Hotel e Casino New York, na mesma avenida, a mais famosa de Las Vegas. O "New York Times" chegou inclusivamente a noticiar que havia equipas SWAT mobilizadas no restaurante Ali Baba, a dez minutos de distância do Mandaya. Mas ao final da manhã em Lisboa, as autoridades garantiriam que o ataque foi só um: Stephen Paddock, de 64 anos, natural da cidade de Mesquite, sem cadastro nem passado militar, abriu fogo contra o festival da música americana por excelência e matou pelo menos 58 pessoas, ferindo mais de 400.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)