Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O Rio, o rock e a nova Cidade do Rock

A nova Cidade do Rock ocupa 300 mil quadrados do Parque Olímpico. O acesso só é possível através de transportes públicos

Apesar das semelhanças entre a Cidade do Rock no Rio de Janeiro e o Rock in Rio de Lisboa, as diferenças entre os dois eventos são inúmeras. É, sobretudo, uma questão de tamanho. E o tamanho importa

Miguel Cadete

Miguel Cadete

no Rio de Janeiro

Diretor-Adjunto

Arranca esta sexta-feira a sétima edição do Rock in Rio no Brasil, onde tudo começou em 1985, já lá vão 32 anos. Em Portugal — foi anunciado no passado sábado pelo Expresso —, o evento vai mudar de datas adiando por quase um mês o regresso, que acontecerá a 23, 24, 29 e 30 de junho. E se até aqui se pode dizer que os dois eventos são irmãos, as diferenças começam também a notar-se.

Em 2017, no Rio de Janeiro, o Rock in Rio também atravessa dois fins de semana mas, ao todo, são sete dias: 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24 de setembro. O número de espectadores presentes também não tem comparação. A lotação para todos os dias do Rock in Rio 2017 está esgotada desde há muito, pelo que irão estar cem mil pessoas por dia na nova Cidade do Rock, construída no Parque Olímpico, perto da Barra da Tijuca. No total, e apesar do cancelamento do espetáculo do cabeça de cartaz do primeiro dia — Lady Gaga anunciou na quinta-feira que não estaria presente por motivos de saúde, sendo substituída pelos Maroon 5 — serão 700 mil pessoas.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS eandroid - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)