Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O dia zero da crise financeira na Europa

O acontecimento foi assinalado nas primeiras páginas dos jornais nacionais e internacionais no dia seguinte. A revista “The Economist”, que fechou no dia 9, fez capa com o assunto na edição da semana seguinte

A 9 de agosto de 2007, a crise do subprime bateu pela primeira vez a sério na banca europeia. O BNP Paribas teve que ‘congelar’ três fundos e o Banco Central Europeu acabou a injectar 95 mil milhões de euros. Recorde-se daquele dia fatídico que aconteceu há uma década

Como (quase) sempre, as crises estranham-se e depois entranham-se. Primeiro são mais ou menos desvalorizadas e acabam a revelar-se bem pior que os primeiros prognósticos. A crise do crédito hipotecário de alto risco – o subprime como é conhecido na linguagem financeira – começou por ser um problema dos EUA, onde nasceu, e durante vários meses ninguém acreditava que pudesse ter um impacto global tão significativo. Na Europa, foram várias as vozes minimizaram os potenciais riscos e acreditaram que o Velho Continente poderia escapar mais ou menos incólume à tormenta.

Tormenta essa que era, ela própria, menosprezada. Basta dar um saltinho ao que dizia o Fundo Monetário Internacional na primavera desse ano, altura em que publica a primeira das duas análises anuais ao estado da economia global – no World Economic Outlook – e do sistema financeiro mundial – no Global Financial Stability Report. Escrevia nessa altura o FMI que, apesar de alguma volatilidade financeira, “a economia mundial continua bem preparada para continuar o crescimento robusto em 2007 e 2008”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)