Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Governo não pode multar o SIRESP se um terço das antenas falhar num dia

Rede caiu invariavelmente em todas as intempéries e incidentes de maiores dimensões nos últimos sete anos

Mesmo que um terço das estações e antenas da Rede Nacional de Emergência e Segurança (RNES, geralmente conhecida por SIRESP) fiquem totalmente incomunicáveis durante 24 horas, o Ministério da Administração Interna (MAI) não tem direito a aplicar qualquer penalidade ao consórcio que gere essa rede. Foi por essa a razão que o MAI nunca aplicou penalidades ao consórcio SIRESP SA em todos os “apagões” que se registaram desde que a rede SIRESP ficou concluída e totalmente operacional, em 2010.

A RNES caiu invariavelmente em todas as intempéries e incidentes de maiores dimensões nos últimos sete anos, mas em nenhuma dessas situações, mesmo quando a inoperacionalidade chegou a mais de 80 estações retransmissoras durante mais de dois dias, foi apurado um valor abaixo do mínimo fixado pelo contrato, que daria direito ao Estado Português de aplicar as penalidades.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • SIRESP falhou todos os anos desde 2010

    Durante a cimeira da NATO e na visita do Papa Bento XVI, em 2010, o Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal já havia registado falhas de comunicação