Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Investimento público cresceu 1/5 do prometido pelo Governo

O Conselho das Finanças Públicas, presidido por Teodora Cardoso, diz que o défice público no primeiro trimestre dá “indicação positiva” para o cumprimento das metas orçamentais, mas deixa alertas sobre o investimento público e a dívida

Foto Tiago Miranda

O alerta é do Conselho das Finanças Públicas: no primeiro trimestre, a Formação Bruta de Capital Fixo das Administrações Públicas cresceu 10,3% em termos homólogos, muito abaixo do aumento de 49,2% previstos pelo governo para o conjunto de 2017

Depois de ter batido mínimos históricos no ano passado - não só em Portugal, mas em toda a União Europeia - quando ficou nos 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB), o investimento público luso voltou a crescer este ano. Medido pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), o investimento público cresceu 10,3% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, atingindo 603 milhões de euros.

Boas notícias? Nem por isso. O alerta é dado pelo Conselho das Finanças Públicas (CFP) no relatório sobre a evolução orçamental até ao final do primeiro trimestre de 2017, divulgado esta quarta-feira. Este aumento é “muito inferior ao que está previsto para o conjunto do ano”, lê-se no documento. Na proposta do Orçamento do Estado para 2017, o executivo de António Costa apontava para um crescimento do investimento público este ano de 49,2%, ou seja, cinco vezes mais do que o ritmo de incremento registado no primeiro trimestre.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido

  • Défice no primeiro trimestre no caminho certo para cumprir metas de 2017

    Relatório do Conselho das Finanças Públicas sobre a evolução orçamental até ao final do primeiro trimestre de 2017 destaca a melhoria homóloga de 490 milhões de euros, o equivalente a 1,2 pontos percentuais do PIB. Números são "indicação positiva" para atingir a meta de 1,5% do PIB este ano