Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“Não tinha conhecimento da situação, mas nunca a desvalorizei”: Azeredo Lopes diz que quer desmontar “quatro equívocos”

tiago miranda

Ministro da Defesa garante que a segurança dos paióis é uma questão de gestão operacional e que não recebeu “nenhum pedido ou chamada de atenção” que alertasse para o que estava a acontecer em Tancos. Garantiu que a NATO confia em Portugal e na sua capacidade de resolver o assunto. E criticA aqueles que, ao longo dos últimos dias, construíram “uma realidade de agitação artificial” e “as tentativas de aproveitamento político da situação”. Quanto ao pedido do CDS-PP para que se demita, nada disse. Azeredo Lopes tem apenas uma certeza: “adotei todas as medidas necessárias”

Helena Bento

texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

fotos

Fotojornalista

Azeredo Lopes, ministro da Defesa, garantiu esta sexta-feira no Parlamento que, “ao contrário do que alguns fizeram crer”, não tinha “qualquer conhecimento de nenhuma situação grave ou urgente que fosse necessário corrigir relativamente à segurança dos paióis [de Tancos]”. “Não tinha em minha posse nenhum pedido, nenhuma chamada de atenção que identificasse uma situação grave ou urgente que pudesse existir nestes ou noutros paióis.”

O ministro, que se sentou esta sexta-feira à mesa da comissão parlamentar de Defesa, afirmou que quer desfazer “quatro equívocos” (como o próprio disse), esclareceu que a segurança dos paióis é uma questão de gestão operacional que “cabe aos ramos” e garantiu não ter “em momento algum” desvalorizado o que aconteceu a 28 de junho na base militar em Vila Nova da Barquinha, no distrito de Santarém, quando um buraco aberto numa das redes das instalações permitiu a saída de material de guerra (“granadas foguete anticarro”, granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, conforme foi divulgado pelo próprio Exército).

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido

  • Sun Tzu, o mais brilhante general e estratego chinês que no séc. VI a.C. nos deixou ‘A Arte da Guerra’ como um dos mais importantes contributos para a estratégia política e militar, já avisava que um comandante pode ter cinco defeitos terríveis: coragem inconsciente; excesso de vontade de sobreviver; ferver em pouca água; insegurança e excesso de compaixão. Cada um destes defeitos corresponde a uma possibilidade tremenda na batalha. O excesso de coragem leva à morte; a vontade de sobreviver a qualquer custo conduz à captura; a ira a ser-se insultado; o excesso de compaixão a ficar-se amargurado e a insegurança a ser-se humilhado