Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Pinho arguido: uma viagem às suspeitas da investigação

Manuel Pinho chegou à PJ com o advogado Ricardo Sá Fernandes

Foto Luís Barra

Os atos governativos que fizeram de Manuel Pinho o oitavo arguido na investigação às rendas da EDP têm 10 anos. O processo está longe de estar resolvido

Eram 10h04 quando Manuel Pinho e o seu advogado, Ricardo Sá Fernandes, chegaram à sede da Polícia Judiciária (PJ), em Lisboa. Pinho ia com vontade de falar e esperaria tudo menos uma diligência curta, sem interrogatório, como acabou por suceder. O antigo ministro da Economia de Sócrates já tinha, aliás, dado conta ao Expresso da sua disponibilidade para depor na PJ e para prestar esclarecimentos no Parlamento.

Entrou com vontade de contar o que sabe sobre as rendas da EDP, mas saiu da PJ em silêncio, dando o protagonismo ao seu advogado. Ricardo Sá Fernandes não hesitou em criticar a constituição de Pinho como arguido (o oitavo da investigação sobre a EDP), sem direito a perguntas nem a informação de que suspeitas sobre ele incidem.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)