Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Marcados pelo fogo

Unidade de queimados do hospital da Prelada

rui duarte silva

Todos os anos dezenas de bombeiros ficam gravemente queimados. Os que sobrevivem guardam na pele, e na vida, as marcas do combate. Reproduzimos o trabalho publicado no primeiro caderno a 7 de setembro de 2013, o ano do mortífero incêndio do Caramulo. Nesse ano, até à data de publicação desta reportagem, tinham morrido em serviço 7 bombeiros

O chefe José Costa vai logo avisando. "Olhe que isso não é assunto de que eu goste de falar." A 6 de outubro de 2011, este bombeiro de Penedono, 51 anos, 30 certinhos de voluntário, foi combater mais um incêndio. O verão teimava em ficar e o pinhal de Baldos (Moimenta da Beira) em arder. "Éramos cinco, estendemos linhas de água e de repente o vento mudou. Em segundos fiquei rodeado de fogo, tudo ardia, o ar ardia, eu ardia. Foi tão rápido que o fato nem ardeu, só eu. E foi isso. Não há mais o que contar. É tudo para esquecer."

Tenta manter a emoção fora do relato mas as palavras saem-lhe sem firmeza, com esforço, como se fosse uma obrigação resolver, avançar, esquecer. Mas como esquecer, se o corpo, o seu corpo, faz-lhe lembrar isso todos os dias. A barriga das pernas, os joelhos, as coxas, o abdómen, metade de um braço, o punho esquerdo, as costas, o rosto, até a voz, queimados, cicatrizados.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)