Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

As 13 perguntas do PSD sobre os incêndios que endureceram o ambiente político

Teresa Morais (deputada do PSD por Leiria) discursando esta tarde no debate parlamentar, na presença da ministra da Administração Interna, ainda sobre os trágicos incêndios de dia 17

Foto Marcos Borga

O PSD lançou 13 perguntas ao Governo e defende que há questões que não precisam dos resultados de uma comissão ou de um inquérito para obterem resposta. CDS pede mais da ministra da Administração Interna. A esquerda também quer esclarecimentos, mas critica a “precipitação” social dos sociais-democratas

Se o tom do debate de ontem foi sereno, as 13 perguntas que o PSD dirigiu ao Governo sobre os recentes incêndios endureceram o ambiente esta quinta-feira. “O que mais aflige é não ter percebido ainda como tal desgraça aconteceu”, afirmou a deputada Teresa Morais (que encabeçou a lista de candidatos por Leiria, em 2015). PS, BE, PCP e PEV reforçaram a necessidade de se apurar o que aconteceu, mas deixaram críticas ao tom dos sociais-democratas e afastaram a necessidade de respostas “precipitadas”.

“Queremos respostas detalhadas e esclarecedoras e insistiremos até as obtermos”, disse a deputada social-democrata, no arranque do debate marcado pelo PSD e que Luís Montenegro encerrou afirmando que o objetivo do partido é “não se silenciar e dar tranquilidade aos portugueses”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Costa reajusta estratégia num debate prudente sobre os incêndios

    Depois de uma sucessão de respostas parcelares sobre o incêndio de Pedrógão, António Costa avisa agora que não quer precipitações. CDS foi o único partido ao ataque e com críticas diretas às respostas divergentes que têm surgido sobre as falhas do SIRESP. “Não há ninguém no Governo que ponha ordem na casa?”, perguntou Cristas. Costa jogou à defesa