Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Televisões: todas iguais, todas diferentes

Tiago Petinga/Lusa

Os três canais de televisão não emitiram o mesmo programa. Cada estação tinha os seus apresentadores a personalizar a emissão, os seus repórteres e a sua frisa de convidados. Público do centro do país e mais velho foi aquele que mais preferiu o espectáculo. E quase 70% dos jovens que têm entre 15 e 24 anos, faixa etária que costuma ver imenso Cabo, viu o concerto

Pedro Boucherie Mendes

66,7% das pessoas que estavam a ver televisão esta terça-feira ao serão viu o evento “Juntos Por Todos”, ou na TVI, ou na SIC ou na RTP1. As outras ou preferiram canais de subscrição (24) ou gravações da box ou ainda Netflix, DVD, consola, etc (6,8), o que é bastante menos que uma típica noite de dia de semana. Ou seja, o concerto atraiu público para as televisões generalistas.

Claramente a TVI foi o canal favorito. Em termos de “share” (percentagem das pessoas que está a ver um canal de aqueles que veem televisão) conseguiu mais de 30% (cerca de 1,2 milhões pessoas). A SIC teve 19,4% (cerca de 800 mil) e a RTP 16,7% (cerca de 700 mil). Estes números respeitam a pessoas que viram as mais de 3h30 de concerto completo. O reach (o alcance) desta emissão estendeu-se a 5,6 milhões, ou seja pessoas que viram pelo menos um minuto do evento. A título de comparação, a final do Euro, Portugal França, obteve 3,6 milhões de pessoas de audiência média, mas teve um reach inferior: 5,4 milhões.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)