Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Rui Cartaxo constituído arguido, Mexia nega culpas e diz que a Europa já arquivou tudo

luís barra

Presidente executivo da EDP, António Mexia, diz que a sua empresa foi alvo de uma queixa anónima sobre a transição dos apoios à produção de energia (CMEC). E recorda que a Comissão Europeia avaliou esta questão há vários anos e acabou por arquivar tudo. Agora foi a vez de Rui Cartaxo, antigo presidente da REN, ser constituído arguido nesta investigação

A investigação às irregularidades nas rendas do sector da energia, que envolvem os cálculos feitos em 2007 para os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) - que substituíram os contratos de aquisição de energia (CAE) -, estão a ser objeto de uma avaliação das autoridades, com base nas buscas feitas a diversa documentação da EDP e da REN - Redes Energéticas Nacionais.

Depois do presidente executivo da EDP, António Mexia, ter sido indiciado em várias irregularidades - entre as quais corrupção ativa -, foi agora a vez do ex-presidente da REN Rui Cartaxo ser constituído arguido. Esta manhã, na conferência de imprensa dada na sede da EDP, António Mexia desvalorizou a investigação e disse na “nada disto é novo”, garantindo que “já tinha sido analisado há vários anos pela Comissão Europeia, sem penalizar a EDP”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • As ligações suspeitas entre Mexia, Pinho e Sócrates

    Líder da EDP é arguido numa investigação que passa pelo ex-ministro da Economia de José Sócrates, Manuel Pinho. Ministério Público investiga suspeitas de corrupção na criação de um quadro legislativo à medida da elétrica entre 2004 e 2007. No dia em que António Mexia agendou uma conferência de imprensa para prestar declarações sobre este processo, o Expresso republica um trabalho dado à estampa na edição de papel do passado sábado