Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Estudo da direita aponta corte até 30% dos depósitos se houver reestruturação da dívida

Jorge Moreira da Silva preside à entidade que apresenta este relatório alternativo ao da esquerda

Foto Gonçalo Rosa da Silva

Relatório de think tank próximo do PSD, que surge como alternativa ao documento apresentado recentemente por deputados do PS e Bloco de Esquerda e economistas, sustenta que os depositantes vão ser penalizados se houver reestruturação da dívida pública com um corte de 100% para os investidores privados. Em qualquer caso, o estudo anterior não propunha perdas para credores privados, que é o cenário agora analisado

Um cenário de reestruturação de dívida, com um corte de 100% para os investidores privados, pode implicar perdas até 30% nos depósitos bancários acima de 100 mil euros. Estas é uma das conclusões divulgadas esta segunda-feira no estudo “Que caminhos para a dívida pública?”, apresentado pela Plataforma para o Crescimento Sustentável (PCS), um think tank próximo do PSD liderado por Jorge Moreira da Silva.

O relatório, que surge como alternativa ao documento apresentado recentemente por deputados do PS e Bloco de Esquerda e economistas, diz que este seria o resultado da necessidade de recapitalizar bancos depois de uma reestruturação de dívida que, pelas regras, implicaria o bail in de depositantes. Em qualquer caso, o estudo anterior não propunha perdas para credores privados, que é o cenário agora analisado.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Sousa Tavares: “Não concordo com o facto de não haver nada a fazer quanto à dívida”

    Depois de ter sido apresentado um novo estudo alternativo propõe medidas para melhorar a situação de Portugal relativamente à dívida pública (aprovado por  Teodora Cardoso e Luís Campos Cunha), Miguel Sousa Tavares considerou que o documento oficial, com o qual não concorda, parece estar orientado em apenas um sentido: “não há nada a fazer em relação à dívida, apenas continuar com cortes orçamentais”