Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Mexia arguido: 10 perguntas e respostas sobre as polémicas rendas da EDP

antónio pedro ferreira

António Mexia, presidente da EDP, e João Manso Neto, administrador, foram constituídos arguidos esta sexta-feira numa investigação assente em suspeitas de corrupção relacionadas com rendas concedidas à EDP a partir de 2004

O presidente executivo da EDP, António Mexia, foi esta sexta-feira constituído arguido no âmbito de uma investigação sobre uma das mais principais rendas de que o grupo beneficia na produção de eletricidade em Portugal. Também foi constituído arguido o administrador da EDP João Manso Neto. Corrupção ativa e passiva e participação económica em negócio são as suspeitas das autoridades. A PGR confirmou já oficialmente o estatuto de arguidos de Mexia e Manso Neto.

A EDP e a REN foram esta sexta-feira alvo de buscas da Polícia Judiciária, que foi recolher informação sobre os contratos de remuneração da EDP denominados "Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual". Trata-se de uma receita garantida desde 2007 à EDP, replicando os termos dos contratos de longo prazo que a elétrica tinha desde a década de 1980 em dezenas de centrais.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)