Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

João Peixoto: “Seria um suicídio demográfico se Portugal fechasse fronteiras”

luís barra

Portugal precisa de imigrantes para garantir a sustentabilidade demográfica do país - é essa a principal conclusão de um estudo divulgado esta quinta-feira. João Peixoto, sociólogo e coordenador do trabalho, explica o que mais é preciso fazer em Portugal para atenuar o envelhecimento acelerado que o país vive. “É preciso ter políticas públicas que mantenham o país atrativo para a entrada de estrangeiros e que estejam atentas às saídas de portugueses para que, em nenhum caso, se volte a passar o que se passou nos últimos anos”

Traçados os cenários demográficos e económicos possíveis para Portugal em 2060, a conclusão é esta: o país precisa de travar as saídas permanentes e atrair imigrantes para assegurar a mesma população que tem hoje. Mas como? Apostar em políticas para manter o país atrativo para os imigrantes e para o regresso de portugueses é parte do caminho, explica o sociólogo João Peixoto, coordenador do estudo “Migrações de substituição e sustentabilidade demográfica: perspetivas de evolução da sociedade e economia portuguesas”, divulgado esta quinta-feira e que será debatido no dia 22 de maio no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa.

Se o número de imigrantes a entrar não for suficiente e as políticas públicas ficarem aquém do esperado, resume o coordenador do estudo, poderá haver também uma “interiorização do litoral”, tornando Portugal um país “deprimido” demográfica e economicamente.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Precisamos de mais 47 mil pessoas por ano para ainda sermos 10 milhões em 2060

    Atrair imigrantes e evitar saídas permanentes é o que Portugal precisa para assegurar a sustentabilidade da sua população. Um estudo divulgado esta quinta-feira quantifica o número de habitantes que seriam necessários em Portugal e prova que mais entradas do que saídas todos os anos até 2060 teriam efeitos positivos na economia e na Segurança Social. Mesmo assim, as migrações só por si não chegam para resolver os problemas demográficos

  • Foi divulgado um interessante estudo sobre demografia e migrações em Portugal. Rapidamente, as conclusões não surpreendentes são as seguintes: se o país fechasse as fronteiras passaria dos atuais 10,4 milhões para 7,8 milhões de habitantes em 2060 e ficaria sem “quadros qualificados suficientes para ocupar os lugares necessários para o avanço da Economia”