Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Abstenção: privação ou desistência voluntária de um direito político, cívico ou social*

reuters

“Os partidos tradicionais ficaram desfeitos, muitos eleitores vão abster-se”: França vai este domingo a eleições - novamente - e o mundo permanece vigilante (e preocupado)

* in Dicionário Priberam

Se as sondagens mais recentes em França estiveram corretas, Emmanuel Macron vai tornar-se este domingo o 25.º Presidente da República. Aos 39 anos, vai ser o mais jovem Presidente da História de França. Vai dever a vitória ao fracasso dos partidos tradicionais e ao seu desempenho na campanha, mas também à fraca prestação da rival, a líder da extrema-direita Marine Le Pen, no único debate que os colocou frente a frente antes da última volta presidencial.

No rescaldo desse debate, na quarta-feira à noite, 828 dos 1314 franceses que foram inquiridos pela Elabe tinham declarado que o ex-banqueiro de tendência centrista e fervoroso apoiante da União Europeia foi “mais convincente” do que a rival nacionalista. Agora, a dois dias da ida às urnas, uma nova sondagem da Elabe avançou que 62% do eleitorado está prestes a votar em Macron, contra 38% favorável a Le Pen — um aumento de três pontos para o primeiro em relação à semana que precedeu o duelo televisivo.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • A incrível derrapagem de Marine le Pen

    O tradicional debate televisivo de entre as duas voltas das eleições presidenciais francesas foi o mais desastroso de sempre na História da V República. Muito violento, por culpa da nacionalista Marine le Pen, representa o estado em que se encontra a França. Emmanuel Macron reforçou o favoritismo para o Eliseu