Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Cuidado, a candidata de Passos adora guerras

josé carlos carvalho

Defendeu “sanções jurídicas” para os juízes do Tribunal Constitucional. Tentou que os deputados tivessem que assumir ser maçons. E demitiu-se da direção da bancada por causa da coadoção por casais homossexuais. Teresa Leal Coelho não é a candidata a Lisboa com que o PSD sonhou. Mas Passos conta com ela para partir a loiça

O primeiro feito de Teresa Leal Coelho na dificílima candidatura que aceitou protagonizar pelo PSD à Câmara de Lisboa é a forma como conseguiu que as respetivas concelhia e distrital do partido tenham votado o seu nome quase por unanimidade depois das cobras e lagartos que dela disseram nos bastidores. Sendo os partidos como são, a pacata votação não ilude, no entanto, o facto de o pior da vida de Leal Coelho no papel de candidata autárquica ainda estar para vir. E Pedro Passos Coelho, que a escolheu, conta com o seu ADN combativo. A história da deputada ajuda a perceber porquê.

Antes de chegar à política, o seu nome deu que falar por ter sido administradora da SAD do Benfica no tempo de Vale e Azevedo e por ter sido despedida por Fraústo da Silva da administração do CCB. No primeiro caso, deu luta para sair da gestão do clube e acabou dispensada por Manuel Vilarinho. No do CCB, foi acusada pelo presidente do Centro de “trapalhadas”, mas respondeu dizendo-se vítima de um “saneamento político”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)