Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Governo prepara lei para acabar com diferença salarial entre homens e mulheres

As mulheres ganham menos 16,7% que os homens

Foto Credito Luís Faustino

Secretária de Estado da Igualdade vai reunir-se com homólogos alemães e islandeses, países que criaram leis para combater a disparidade salarial entre sexos. O Executivo prepara várias propostas para combater a desigualdade de género, prevendo apresentá-las “em breve”

O Executivo prepara-se para apresentar uma proposta para acabar com a discriminação salarial entre homens e mulheres. “A ideia é ir além das listas negras [divulgar as empresas que praticam essa discriminação]. Para que essa responsabilidade não fique só do lado das empresas, também cabe ao Estado”, diz ao Expresso Catarina Marcelino, secretária de Estado da Igualdade.

Em Nova Iorque, para participar na 61ª Sessão da Comissão sobre o Estatuto das Mulheres, nas Nações Unidas, Catarina Marcelino vai reunir-se paralelamente com os representantes da Islândia e da Alemanha, países com as primeiras leis nesta área.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Não gosto da ideia de que temos de ser supermulheres”

    Catarina Marcelino, secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, quer que a paridade de género, que tem progredido no meio laboral, entre nas casas de família, onde as tarefas domésticas continuam a ser coisa de mulher. A solução, diz, está na escola, onde a educação para a cidadania vai começar a derrubar estereótipos desde o pré-escolar. “Temos uma base cultural que precisa de uma intervenção grande”, assegura. Em casa dela está tudo em pratos limpos

  • Não sou mulher, sou um planeta

    Como ninguém tem mais autoridade que uma mulher quando se trata de falar de mulheres, pedimos à parte feminina do Expresso que escrevesse uma simples frase sobre as maravilhas, complicações, atribulações, desgostos, frustrações, alegrias e entusiasmos de ser mulher. Não identificamos as autoras, porque o que elas escrevem é para cada uma delas e para todos nós – e é um exercício notável de orgulho. Esta quarta-feira é Dia Internacional da Mulher